quarta-feira, 23 de setembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

STJ decide noticiar ao MP descumprimento de decisão judicial por juiz gaúcho

STJ decide noticiar ao MP descumprimento de decisão judicial por juiz gaúcho

Em decisão inédita, o STJ decidiu noticiar ao MPF o descumprimento, por parte de um juiz de Direito do Estado do Rio Grande do Sul, de liminar concedida por um dos seus integrantes. A medida liminar havia sido deferida pelo ministro Pádua Ribeiro, da 2ª seção, em processo que discute direitos em relação à massa falida de uma empresa.

O descumprimento foi revelado pela Reclamação 1840, na qual se deliberou a comunicação ao MP para que seja apurada eventual prática de crime de prevaricação (fazer ou deixar de fazer ato que lhe compete). A 2ª seção deliberou, também, representar ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), para que o TJ do Rio Grande do Sul seja devidamente comunicado do fato.

Para a 2ª seção, a iniciativa, pioneira no STJ, foi provocada pela gravidade do ato, que, além de atentar contra a autoridade da instância superior, ofendeu a dignidade do cidadão-jurisdicionado.

"Tal como na fraude à lei, em que se preservam as palavras desta, mas se lhe contorna o espírito de molde a evitar sua influência, no caso houve fraude à decisão", considerou o ministro Pádua Ribeiro, ao examinar a reclamação.

"Declarou-se respeitá-la, mas se deixou o jurisdicionado, amparado por liminar, em situação que frustra os objetivos da decisão proferida na cautelar e a torna inócua", continuou.

O ministro Pádua Ribeiro observou, ainda, que foi determinado, na decisão reclamada, que o reclamante, cujas alegações a respeito de sua posição de maior credor da massa falida foram consideradas verossímeis em juízo cautelar, deveria servir de mero garoto de recados do síndico.

"Os termos utilizados e a fixação de um salário de R$ 1,00 (um real) para o dito 'mandalete' ofendem, em princípio, a dignidade do jurisdicionado (independentemente de ter este ou não o direito que reclama no processo principal) e parecem afrontar as regras dos artigos 1º, III, e 6º, da Constituição da República".

Para o ministro, tal ato impediu a prestação jurisdicional adequada e a correta aplicação do artigo 5º, XXXV, também da Carta Maior:

"Nesse contexto, o prejuízo que se buscava evitar com aquela medida cautelar, reconhecido com o deferimento da liminar, pode estar ocorrendo com o descumprimento desta", concluiu Pádua Ribeiro.

____________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

Compartilhar