sábado, 16 de outubro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Efeitos previdenciários em concubinato de longa duração têm repercussão geral reconhecida pelo STF
STF

Efeitos previdenciários em concubinato de longa duração têm repercussão geral reconhecida pelo STF

Questão constitucional foi levantada por RExt que reconheceu direitos previdenciários à parceira extraconjugal de um segurado do INSS.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Questão constitucional levantada no RExt 669465 teve repercussão geral reconhecida pelo STF. O recurso discute a possibilidade de concubinato de longa duração gerar efeitos previdenciários.

O INSS interpôs o RExt contra acórdão da turma Recursal dos Juizados Especiais Federais do Espírito Santo, que manteve a sentença que reconheceu direitos previdenciários à concubina de um segurado do INSS. De acordo com os autos, ela teve um filho com o beneficiário, com quem conviveu por mais de 20 anos em união pública e notória, apesar de ser casado. A decisão recorrida determinou que a pensão por morte fosse rateada entre a concubina e viúva.

O INSS alega violação ao artigo 226, parágrafo 3º, da CF/88, ao sustentar que não sendo possível reconhecer a união estável entre o falecido e a autora (concubina), diante da circunstância de o primeiro ter permanecido casado, vivendo com esposa até a morte, deve-se menos ainda atribuir efeitos previdenciários ao concubinato impuro.

Repercussão

Para o relator do recurso, ministro Luiz Fux, a matéria não é novidade na Corte, tendo sido apreciada algumas vezes nos órgãos fracionários, sem que possa, contudo, afirmar que se estabeleceu jurisprudência.

Em sua manifestação, o ministro-relator citou decisões do Supremo como, por exemplo, no RExt 590779, em que se destacou que a titularidade decorrente do falecimento de servidor público pressupõe vínculo agasalhado pelo ordenamento jurídico, mostrando-se impróprio o implemento de divisão a beneficiar, em detrimento da família, a concubina.

Nesse sentido, o relator manifestou-se pela presença do requisito da repercussão geral. Ele considerou que a matéria possui repercussão geral, apta a atingir inúmeros casos que exsurgem na realidade social. O entendimento foi confirmado pela Corte por meio de deliberação no Plenário Virtual.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 28/3/2012 08:17