terça-feira, 11 de agosto de 2020

ISSN 1983-392X

História

O talento profissional do versátil Tobias Barreto

Artigo de Evaristo de Moraes, publicado no Jornal do Commercio em 9 de julho de 1939, comemorava centenário de seu nascimento e exaltava qualidades profissionais do causídico sergipano.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Filósofo, poeta, crítico, jornalista, político, advogado, jurista: impossível classificar em uma só palavra a plural personalidade de Tobias Barreto de Meneses. Nascido a 7 de junho de 1839 na vila de Campos, Província de Sergipe, dedicou-se às nobres profissões de advogado e jornalista.

O talento de Barreto, cujo nome já designou cidade, colégio e teatro, foi descrito com primor pelo também advogado Evaristo de Moraes. O texto, publicado no Jornal do Comércio em 9 de julho de 1939, comemorava o centenário de nascimento do versátil brigador. O artigo, abaixo disposto, traz peculiaridades de parte do brilhante exercício de vida e profissão de Barreto.

Vida

Apesar da intensa carreira advocatícia, ele não parou por aí: estudou latim, alemão, lecionou gramática latina, assistiu a aulas de filosofia e produziu considerável obra com estudos acerca de trabalhos de ensaístas germânicos como Ernest Haeckel e Ludwig Büchner.

No fim de 1862, Barreto viaja para Pernambuco a fim de cursar Direito na Faculdade do Recife. Ainda antes de concluir o curso, mudou-se para o município de Escada, em 1871, onde casou-se com a filha de um coronel de engenho.

Em dez anos na cidade, publicou sete periódicos e foi eleito, pelo partido liberal, deputado para a Assembleia Provincial. Na área política, porém, não alcançou sucesso. Em certa ocasião, já prevendo a derrota, o habilidoso discursista declarava não ser ovelha do rebanho, delineando as incompatibilidades políticas que lhe foram atribuídas. Na oratória, aliás, Barreto se revelava um mestre, qualquer que fosse o tema.

Apesar de não conseguir reeleição, Tobias aceita mandato popular como vereador, mas não tem tempo de exercer. Devido a sua designação como 1º suplente de juiz municipal em Escada, é nomeado como juiz substituto em abril de 1880, em seus últimos tempos no pequeno município.

Em 1883, já de volta à capital pernambucana, publica sua primeira série de estudos alemães. Nos anos seguintes, a saúde debilitada e os escassos proventos que recebia quase não permitem que o bravo causídico exerça alguma função. Ajudado por conhecidos e com despesas custeadas por subscrições, morre em 27 de junho de 1889, aos 50 anos, na casa de um amigo onde se hospedara no fim da vida.

patrocínio

Advertisement

últimas quentes

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram