quarta-feira, 12 de maio de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

CNJ

Processo eleitoral no TJ/SP continua suspenso

Nesta terça-feira, 10, o plenário do CNJ ratificou liminar concedida pelo conselheiro Guilherme Calmon, suspendeu a eleições para cargos de direção no TJ/SP e que impedia a participação de todos os desembargadores do tribunal na eleição, conforme previsto pela Loman.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Nesta terça-feira, 10, o plenário do CNJ ratificou liminar concedida pelo conselheiro Guilherme Calmon, que suspendeu a eleições para cargos de direção no TJ/SP para impedir a participação de todos os desembargadores do tribunal, conforme previsto pela Loman. Marcado originalmente para 4/12, o processo eleitoral ainda não havia sido iniciado.

Tomada por maioria, a decisão suspende os efeitos da resolução 606/13, do TJ/SP, por desrespeitar o art. 102 da Loman, que proíbe a reeleição nos tribunais. O artigo em questão veta, em processo eleitoral, a candidatura de magistrado que já tiver exercido cargo de direção. Essa restrição, de acordo com a lei orgânica, deve vigorar até que se esgotem todos os nomes aptos a disputar o pleito, obedecendo-se a ordem de antiguidade, o que não foi levado em consideração pela norma interna do TJ/SP.

"Defiro liminar para determinar que o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo abstenha-se de dar abertura ao procedimento eleitoral, com base na Resolução n. 606/2013/TJSP", afirmou o conselheiro Guilherme Calmon na liminar, ratificada na 174ª sessão plenária do Conselho.

Ao justificar a concessão da liminar, Guilherme Calmon sustentou que a abertura do processo eleitoral poderia "trazer diversos embaraços para a administração judiciária do TJSP, considerando o seu tamanho e importância, a ponto de se multiplicarem procedimentos administrativos perante este Conselho".

  • Pedido de providências: 0005039-51.2013.2.00.0000

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 11/9/2013 08:29

LEIA MAIS