terça-feira, 14 de julho de 2020

ISSN 1983-392X

Pleito

XI de Agosto realiza eleições para nova diretoria

Neste ano, nove chapas concorrem no pleito, que irá definir o 112º presidente da tradicional entidade estudantil.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Se não houver segundo turno, a USP elege hoje, 24, a nova diretoria do Centro Acadêmico XI de Agosto. Neste ano, nove chapas concorrem ao pleito, que irá definir o 112º presidente da tradicional entidade estudantil.

Entre as responsabilidades do aluno eleito está a de representar pública e juridicamente a entidade, formalizar a contratação e demissão de funcionários, transmitir o cargo formalmente ao seu substituto legal sempre que estiver impedido e presidir as eleições de diretoria e Conselho Fiscal.

Vejas as principais propostas das chapas Canto geral, Contraponto e Resgate:

Eleições

O estatuto do Onze dispõe que, desde 2003, a diretoria se elege por meio de voto universal, direto e secreto, em eleição por chapas, para um mandato de um ano. A eleição se dá por maioria simples, ou seja, mais de 50% dos votos válidos, em primeiro turno e pelo mesmo procedimento, em segundo turno, no qual concorrerão as duas chapas mais votadas no primeiro turno.

Todos os associados ao XI de Agosto podem concorrer aos cargos diretores. No entanto, não é possível se reeleger para um mesmo cargo.

História

O Centro Acadêmico XI de Agosto nasceu em 1903, 76 anos após lei promulgada por D. Pedro I ter criado a Faculdade de Direito de São Paulo. A iniciativa consolidou a união de diversos agrupamentos estudantis já existentes na faculdade e já nasceu cercada de grande prestígio.

A primeira diretoria, cujo presidente era Pedro Dória, foi eleita por unanimidade. À época, o voto era aberto e exclusivamente masculino, ao estilo da Primeira República. Dois anos depois, contudo, a instituição adiantou-se ao país e permitiu que as mulheres votassem. Só em 1925 o sufrágio tornou-se secreto.

Desde então, 110 presidentes ocuparam a diretoria da entidade. Nesses anos, os eleitos receberam figuras como Euclides da Cunha que, em 1907, visitou o XI de Agosto e ministrou palestra sobre o abolicionista Castro Alves, que fora aluno das Arcadas.

Ditadura

Em mais recente história, o Onze teve ativa participação política. Em 68, os estudantes resolvem ocupar a Faculdade de Direito da USP, com a missão de conseguir a reforma da Escola, para que fosse ensinada ciências jurídicas e sociais, e não apenas ciências jurídicas. Como consequência, a polícia lacra o XI de Agosto e 40 estudantes são presos e levados para o Dops.

Durante a ditadura, é lançada a pedra fundamental da Faculdade de Direito na Cidade Universitária. Plebiscito com os alunos da FDUSP não deixa dúvida, 95% votam contra o transplante da Faculdade. Na madrugada seguinte, estudantes furtam a pedra e a enterram no Largo de São Francisco. Na lápide da sepultura, a frase: "Quantas pedras forem colocadas, tantas arrancaremos – 30/X/1973". No sétimo dia, missa.

A entidade continua com sua resistência à Ditadura Militar e, após Geisel lançar o Pacote de Abril, o Largo de São Francisco é palco do "Enterro da Constituição". Em 8/9/77, uma multidão ocupa o Território Livre, para que o Prof. Goffredo da Silva Telles Jr. declamasse a Carta Aos Brasileiros, que findou-se com a eloquência do professor: "A consciência jurídica do Brasil quer uma coisa só: Estado de Direito já!".

As greves eclodem no Brasil, o general Geisel revoga parte do AI-5 e o HC é restabelecido. O XI encampa a luta pela anistia "ampla, geral e irrestrita" e pelas "Diretas Já", tendo como slogan da diretoria de 1985 a frase "Diretas, direito nosso".

Após a democratização, o XI de Agosto participa ativamente do movimento dos "Caras Pintadas", que tinha como slogan o "Fora Collor".

  • Confira a galeria de presidentes do XI de Agosto

2013 - Alexandre Rebelo Ferreira
2012 - André Correia Tredezini
20XI - Maia Aguilera Franklin de Matos
2010 - Marcelo Chilvarquer
2009 - Talita Nascimento
2008 - Paulo Henrique Rodrigues Pereira
2007 - Ricardo Leite Ribeiro
2006 - Caio Miranda Carneiro
2005 - Fernando Borges Filho
2004 - Daniel do Amaral Arbix
2003 - Ademir Picanço de Figueiredo
2002 - Lívia de Oliveira Sobota
2001 - Pedro Vieira Abramovay
2000 - Davi de Paiva Costa Tangerino
1999 - Vinícius Marques de Carvalho
1998 - Andrea Mustafa
1997 - Denis Fernando Mizne
1996 – Gustavo G. Ungaro
1995 - Juliano Basile
1994 - Fernando Garcia C. do Amaral
1993 - Fábio Ribeiro dos Santos
1992 - Marco Aurélio Chagas Martorelli
1991 - Renato Parreira Stetner
1990 - Hélio Freitas de Carvalho Silveira
1989 - Dennys Aron Távora Arantes
1988 - Victor Carvalho Pinto
1987 - Marcelo Semer
1986 - Paulo Gonçalves da Costa Júnior
1985 - Fernando Haddad
1984 - Eugênio Bucci
1983 - Adnan Saab
1982 - Lauro Celidônio Gomes dos Reis Neto
1981 - Mario Antonio Mennucci
1980 - José Tadeu Módolo
1979 - Marcos Martins Paulino
1978 - Dimas Eduardo Ramalho
1977 - Caio Marcelo de Carvalho Giannini
1976 - Mário Renato Monterroso Botelho de Miranda
1975 - José Manoel de Aguiar Barros
1974 - Amadeu Roberto Garrido de Paula
1973 - Luiz Antônio Alves de Souza
1972 - Antônio de Gouveia Júnior
1971 - José Roberto Leal de Carvalho
1970 - Luiz Eduardo Almeida Curti
1969 - José Roberto Hachich Maluf
1968 - Marco Aurélio Ribeiro
1967 - Aloysio Nunes Ferreira Filho
1966 - Sérgio Lazzarini
1965 - Hélio Henrique Pereira Navarro
1964 - João Miguel
1963 - Oscarlino Marçal
1962 - Léo Pastori
1961 - Antônio José Luciano Vieira
1960 - Antônio Carlos Gonçalves Canton
1959 - Luiz Carlos Bettiol
1958 - Ennio Ennis Minhoto
1957 - Guilherme Augusto Lopes
1956 - Paulo de Azevedo Marques
1955 - Luiz Carlos Pereira Barretto
1954 - Victor Augusto Fasano
1953 - Vicente Amaral de Azevedo Sampaio
1952 - Armando Marcondes Machado Júnior
1951 - Wilquem Manoel Neves
1950 - José Albino Pereira
1949 - José Luiz de Anhaia Mello
1948 – José Antônio de Affonseca Rogê Ferreira
1947 - Ubirajara Keutenedjian
1946 - Sylvio de Campos Mello Filho
1945 - Ruy Nazareth
1944 - Haroldo Bueno Magano
1943 - Hélio Motta
1942 - Oscar Augusto de Barros Bressane
1941 - Luiz Leite Ribeiro
1940 - Francisco de Paula Quintanilha Ribeiro
1939 - Trajano Pupo Neto
1938 - Joaquim Augusto Ribeiro do Valle Netto
1937 - Cícero Augusto Vieira
1936 - Roberto Whately
1935 - Fernando de Oliveira Simões
1934 - Paulo Bastos de Cruz
1933 - Roberto Victos Cordeiro
1932 - Arnaldo Barbosa
1931 - José Domingos Ruiz
1930 - José Edgard Pereira Barretto
1929 - Pedro Antônio de Oliveira Ribeiro Neto
1928 - Paulo Teixeira de Camargo
1927 - Joviro Gonçalves Foz
1926 - Affonso Martins Ribeiro
1925 - Odécio Bueno de Camargo
1924 - Márcio Tavares Filho
1923 - Aguinaldo de Mello Junqueira
1922 - Lúcio Cintra do Prado
1921 - Raphael Corrêa de Sampaio Filho
1920 - Alcides de Araújo Sampaio
1919 - Antônio Carlos de Abreu Sodré
1918 - Idalício de Andrade e Silva
1917 - Antônio Pereira Lima
1916 - Manuel Lysippo Gonçalves Fraga
1915 - Dulcídio Costa
1914 - Sílvio Marques
1913 - Olivério Pilar do Amaral
1912 - Irineu Forjaz
1911 - João Otaviano de Lima Pereira
1910 - Alcebíades Delamare Nogueira da Gama
1909 - Nestor Esteves da Natividade
1908 - Eduardo Vergueiro de Lorena
1907 - César Lacerda de Vergueiro
1906 - Joaquim de Souza Pinheiro
1905 - José Carlos de Macedo Soares
1904 - Luiz Pereira de Campos Vergueiro
1903 - Pedro Dória

patrocínio

Advertisement

últimas quentes

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram