sexta-feira, 14 de agosto de 2020

ISSN 1983-392X

Copa 2014

Norte-americanos temem perda de raízes culturais com a popularização do futebol no país

Fãs de futebol adotam costumes estrangeiros e preocupam analistas

Para os brasileiros, acostumadíssimos ao caráter popular do futebol, é difícil associá-lo à imagem de esnobe até bem pouco tempo ostentada pelo esporte nos EUA.

“Nos EUA, o futebol era um clube especial a que somente uma autodesignada elite conhecia. Ver alguém vestindo uma camisa de futebol significava identificá-lo como membro de no mínimo algo underground”, explicou Scott Chandler, 27, analista administrativo. Não à toa, uma recente torcida organizada para a seleção nacional de futebol escolheu o nome American Outlaws, algo como Os fora da lei americanos.

O depoimento integra matéria publicada no New York Times na última terça-feira, 10, elaborada a partir da observação do comportamento dos torcedores norte-americanos no amistoso entre EUA e Nigéria realizado em Jacksonville, Flórida, na semana anterior. O longo texto revela certo espanto por parte de analistas e outros formadores de opinião diante da crescente adesão de torcedores ao futebol, moda que tacham de europeia e pretensiosa. O parágrafo em que a jornalista que assina a matéria expressa sua opinião é implacável, e dá o tom da preocupação:

“Agora que eles têm a chance de transformar essa grande prática mundial em um passatempo norte-americano, deveriam se comportar como os fãs europeus fazem, e arriscarem-se a se padronizar e se tornarem pretensiosos, como pessoas que discorrem sobre os diferentes solos de cultivo de uvas e diferentes safras enquanto tomam vinho? Ou existe algum potencial e feliz caminho para que incorporem as tradições europeias como um fã norte-americano?”

Um dos grandes incômodos expressos pelo artigo é a adoção, pelos novos torcedores de futebol nos EUA, do vocabulário próprio do esporte, deixando de lado expressões ligadas a suas raízes culturais. Pouco a pouco, o esporte tem passado de soccer a football; o espaço determinado pelas quatro linhas vem deixando de ser field para ser reconhecido como pitch; e a partida vem sendo denominada match,em lugar de game. Até a menção à vestimenta dos jogadores, antes feita com a palavra jerseys, algo como “malhas”, expressão pouco ouvida para designar uniforme de futebol em outras plagas, tem sido feita usualmente com a palavra kit.

“As pessoas dizem, ‘Oh, você é tão elitista,’ mas 99 por cento do mundo chama-o de football, então eu também o estou chamando de football,” disse à repórter Nick Starck, 31, que conta ter aprendido sobre o esporte como a maioria dos fãs recentes, assistindo a jogos europeus pela televisão.

Outro costume importado pelos norte-americanos é o uso de cachecóis de lã com o nome dos times no pescoço; para desespero da repórter, os adereços eram vistos em profusão no último jogo, mesmo sob o calor da Flórida.

Questionado, o estudante de enfermagem Kevin O’Brian, 28, reconheceu: “Tudo isso é novo para nós, então é óbvio que estamos imitando outros”. Mas sobre a terminologia, defendeu o seu ponto de vista: “(...) eu diria que chamá-lo [o campo] de pitch não é pretensioso, e sim respeitoso. Me parece pouco sincero chamá-lo de campo de soccer”.

A recente contratação do alemão Jürgen Klinsmann como técnico da seleção norte-americana parece alinhar-se à percepção dos novos torcedores – há algo divertido a ser aprendido com o resto do mundo.

Veja a íntegra do artigo.

Por: Redação do Migalhas

informativo de hoje

patrocínio

Advertisement

últimas quentes

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram