Migalhas

Domingo, 5 de abril de 2020

ISSN 1983-392X

Trabalhista

Furto de mercadoria justifica demissão

Juíza não vislumbrou qualquer coação por parte da ré.

terça-feira, 1 de julho de 2014

A JT/PE rejeitou argumentações de funcionária de que fora coagida a pedir demissão, indeferindo a pretensão de conversão do pedido de demissão em demissão sem justa causa.

No caso, a juíza do Trabalho Camila Augusta Cabral Vasconcellos concluiu a partir das provas que houve um ato de improbidade da reclamante, que foi pega furtando mercadoria do estabelecimento.

A reclamante resolveu se desligar para não correr o risco de se expor. À sua testemunha foi dada a opção de um desligamento voluntário para evitar envolvimento policial e a mesma não aceitou e foi dispensada por justo motivo. Não vislumbrei na narrativa das testemunhas qualquer coação por parte da ré.”

A magistrada também indeferiu os pedidos de indenização por danos morais, horas extras, bem como a aplicação de multas.

O advogado Gustavo Cavalcanti de Andrade, do Departamento Trabalhista do Albuquerque Pinto Advogados, atuou na causa pela empresa.

  • Processo : 000749-31.2013.5.06.0014

Veja a íntegra da decisão.

______________

patrocínio

Advertisement

últimas quentes

-