quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF aceita denúncia contra Paulo Cesar Quartiero por danos em fazenda da União
Raposa Serra do Sol

STF aceita denúncia contra Paulo Cesar Quartiero por danos em fazenda da União

Decisão é da 2ª turma.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

A 2ª turma do STF aceitou denúncia contra Paulo Cesar Justo Quartiero por danos em fazenda que foi desapropriada pela União.

O MP alega que o autor incorreu no crime do art. 163 do CP, pois o deputado tinha duas fazendas na área, a Depósito e a Providência, e ao desocupar as terras "retirou o que foi possível e demoliu o restante", acreditando que eram de sua propriedade e que a indenização oferecida pela Funai era insuficiente pela desocupação. Afirmou a subprocuradora-Geral da República Claudia Sampaio Marques:

"Esses bens eram de propriedade da União e se ele não concordava com o valor da indenização tinha que ter acionado a Justiça. O que não é licito é destruir os bens, que não lhe pertenciam, como revolta pela Corte ter determinado a desocupação da área. Há laudo pericial em que é dito exatamente o que foi destruído, e ele próprio confessa - a casa, os currais, o que não conseguiu retirar a tempo."

A defesa, por sua vez, sustentou da tribuna que "não há crime se os bens ainda não foram incorporados ao patrimônio da União".

O relator, ministro Gilmar Mendes, afirmou que, em relação à Fazenda Providência, em "nenhum momento a inicial especifica a coisa destruída ou danificada". Para Mendes, o denunciado incorreu em "erro quanto ao caráter alheio da coisa", e que acima do desejo de destruir patrimônio alheio, Quartiero queria "impedir que outros o acessassem", julgando improcedente a denúncia, por erro de tipo em relação aos danos praticados na Fazenda Depósito, e rejeitando a denúncia no restante.

Divergência

A ministra Cármen Lúcia entendeu que "se ele tinha dúvidas da titularidade o caso não era de destruição", e votou pela procedência da denúncia no todo.

Também o ministro Celso de Mello recebeu integralmente a denúncia, considerando que "a questão da destruição das benfeitorias é mencionada na peça acusatória de maneira muito clara".

Formando uma terceira via de voto, o presidente da turma, ministro Teori, acompanhou em parte o relator para rejeitar a denúncia, exceto em relação à Fazenda Depósito, em que um laudo especifica os danos causados.

O empate e a solução

Assim, havia três votos para recebimento da denúncia em relação à Fazenda Depósito (Cármen Lúcia, Celso de Mello e Teori) e dois votos rejeitando a denúncia em relação à na Fazenda Providência (Gilmar e Teori). Surgiu, então, debate no colegiado sobre se o empate ensejaria a rejeição ou recebimento da denúncia em relação à Fazenda Providência.

Gilmar Mendes lembrou que, quando do julgamento da famigerada AP 470, o plenário concluiu que o empate favoreceria o réu. O ministro Teori levantou a hipótese de convocação de ministro da 1ª turma para o desempate. Celso de Mello citou o artigo 150 do regimento interno da Corte:

"Art. 150. O Presidente da Turma terá sempre direito a voto.

§ 1º Se ocorrer empate, será adiada a decisão até tomar-se o voto do Ministro que esteve ausente.

§ 2º Persistindo a ausência, ou havendo vaga, impedimento ou licença de Ministro da Turma, por mais de um mês, convocar-se-á Ministro da outra, na ordem decrescente de antiguidade.

§ 3º Nos habeas corpus e recursos em matéria criminal, exceto o recurso extraordinário, havendo empate, prevalecerá a decisão mais favorável ao paciente ou réu."

Contudo, segundo Teori, o regimento "não soluciona claramente o caso", visto tratar-se de fase preliminar pelo recebimento ou não da peça acusatória.

Decano da Corte, o ministro Celso de Mello ponderou, então, que no ponto em que ocorre o empate não haveria impossibilidade de, eventualmente, o MP formular nova imputação penal desde que a peça acusatória supere o defeito apontado.

Acolhida a proposta pelos ministros da turma, o presidente Teori declarou o resultado segundo o qual, por maioria, a 2ª turma recebeu a denúncia em relação aos danos na Fazenda Depósito, vencido o relator, e rejeitou a denúncia da Fazenda Providência por inepta vencidos Cármen Lúcia e Celso de Mello, sendo que nesse último sem prejuízo de oferecimento de nova peça acusatória atendidos os requisitos legais.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 23/9/2014 16:44