sábado, 25 de junho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Edson Vidigal recebe manifesto de juízes do Rio para manter violência doméstica em juizados especiais

Edson Vidigal recebe manifesto de juízes do Rio para manter violência doméstica em juizados especiais

terça-feira, 7 de fevereiro de 2006


Edson Vidigal recebe manifesto de juízes do Rio para manter violência doméstica em juizados especiais

Um grupo de juízes fluminenses pediu ontem o apoio do presidente do STJ, ministro Edson Vidigal, para que os crimes praticados contra as mulheres - referentes à violência doméstica - permaneçam na competência dos juizados especiais. Liderados pelo juiz do 9º Juizado Especial Criminal da Barra da Tijuca, Joaquim Domingos de Almeida Neto, os magistrados pediram que o ministro Vidigal defenda, junto ao Congresso Nacional, a manutenção do modelo atual sob pena de riscos às punições dos agressores.

Na prática, os juízes querem evitar a aprovação do projeto de lei nº 4.559/2004, cuja finalidade é aumentar as penas para os crimes de violência doméstica. Os argumentos apresentados pelos juízes vão desde o fato de que a transferência dessa competência implicará impunidade até ao argumento de que a justiça criminal tradicional "trabalha prioritariamente com réus presos".

Violência doméstica

Durante a permanência do presidente do STJ, ministro Edson Vidigal, no Fórum do Tribunal de Justiça do Estado do Rio, na Barra da Tijuca, o juiz Joaquim Domingos Neto buscou apresentar as preocupações dos magistrados com relação à proposta que tramita na Câmara dos Deputados. O juiz fluminense entregou ao ministro Vidigal documentos nos quais são elencadas as questões que marcam a posição da categoria.

Um dos documentos contempla um histórico com enfoque nas mudanças e perspectivas. No relato, o juiz Joaquim Domingos diz que "o Juizado Especial Criminal veio romper com o primeiro dos preconceitos", ou seja, o de que a Justiça passou a "meter a colher" nesse assunto.

"Contudo, partindo da associação de preconceitos com respostas tímidas, mal formuladas por parte do Judiciário, com o arsenal legislativo hoje existente, uma parcela da sociedade vem pregando a solução penal tradicional punitiva como resposta necessária para a questão", ressaltou o magistrado para, mais adiante, enfatizar que esse não seria o melhor caminho a seguir.

"A resposta penal tradicional somente contribuiu para afastar da Justiça a questão da violência doméstica - no processo penal tradicional todo o foco de atuação é sobre o réu e para ele se constrói todo o sistema de garantias constitucionais". E prosseguiu: "Para exemplificar, no Rio de Janeiro, em 2003, apenas 0,21% dos 'casos' criminais chegaram à vara criminal. Enquanto isso, de toda a massa de procedimentos criminais, 64% representavam infrações de menor potencial ofensivo e foram judicializados de imediato".

No conjunto de documentos, os magistrados anexaram o projeto de lei original e também o substitutivo que se pretende dar à proposta. O ministro Vidigal ouviu com atenção as exposições apresentadas e se comprometeu a analisar os textos para definir a melhor forma de contribuir para a cruzada dos juízes fluminenses.

_______________________

Fonte: Site STJ

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 7/2/2006 09:52