quinta-feira, 5 de agosto de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. >
  4. Criança em estado delicado de saúde justifica prisão domiciliar da mãe
Razões humanitárias

Criança em estado delicado de saúde justifica prisão domiciliar da mãe

Decisão é do TJ/DF.

domingo, 26 de abril de 2015

"Verificando-se que a manutenção da mãe com a criança no estabelecimento prisional traz riscos à vida e à saúde da infante, a solução que melhor se harmoniza com as normas aplicáveis à espécie não é a separação brusca e precipitada entre mãe e filha, sem que se tenha qualquer notícia de quem será o responsável pela criança, mas a concessão de prisão domiciliar por razões humanitárias."

O entendimento foi firmado pela 2ª turma Criminal do TJ/DF conceder parcialmente ordem de HC para mãe, presa em Penitenciária Feminina do DF, que não tem familiares para cuidarem de sua filha.

O writ foi impetrado por Ludmila Maria Costa Rocha e Vívian Ludmila Gomes de Oliveira, da da Comissão de Ciências Criminais e Segurança Pública da OAB/DF.

A turma considerou o quadro fático delineado nos autos, especialmente a ausência de rede familiar de apoio fora do presídio e da delicada situação de saúde da criança (que certamente necessita do leite materno e da presença da genitora), para concluir que "o afastamento abrupto entre mãe e filha seguramente seria prejudicial à infante".

Diante da ausência de creche anexa ao estabelecimento prisional feminino, com a finalidade de assistir a criança desamparada cuja responsável esteja presa, nos moldes da lei de Execução Penal, bem como a resolução 4/09 do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária - que prevê que deve ser garantida a permanência de crianças no mínimo até um ano e seis meses para as(os) filhas(os) de mulheres encarceradas junto as suas mães - a 2ª turma Criminal concedeu a ordem.

"A situação excepcional trazida à baila nesta impetração justifica a concessão da prisão domiciliar humanitária à paciente, por ser essa a medida que melhor se adéqua à legislação constitucional e infraconstitucional pertinente e que preserva, de um lado, o melhor interesse da criança e, de outro lado, o direito à maternidade que não pode ser subtraído da mãe encarcerada em virtude da condenação, sendo remancescente a pena de 3 (três) anos e 6 (seis) meses de reclusão." (grifos nossos)

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 24/4/2015 14:58