sexta-feira, 7 de maio de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Precatórios

STF pode reabrir discussão sobre pagamento de precatórios

Ministros converteram julgamento de embargos de declaração em diligência para ouvir interessados na causa. Modulação fica mantida.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

O plenário do STF pode reabrir a discussão sobre a constitucionalidade do regime especial de pagamento de precatórios estabelecido pela EC 62/09. Isso porque na sessão plenária desta quarta-feira, 9, a Corte decidiu, por maioria, converter em diligência o julgamento dos embargos de declaração interpostos contra a decisão que declarou a inconstitucionalidade da emenda, para permitir a intervenção de todos os interessados na causa.

Os ministros ressaltaram, contudo, que pagamento dos precatórios não pode ser interrompido e deve seguir a sistemática da EC 62, com a modulação dos efeitos da decisão da Corte nas ADIns 4.357 e 4.425.

Ao todo são quatro embargos de declaração na ADIn 4.357 e um na ADIn 4.425. Inicialmente, o ministro Luiz Fux, relator, votou no sentido acolher parcialmente apenas os dois recursos interpostos pelo Congresso para esclarecer que a declaração de inconstitucionalidade, por arrastamento, do art. 1º-F da lei 9.494/97 teve alcance limitado, não abarcando a correção monetária no período entre o ajuizamento da ação e a condenação.

Com relação aos demais pedidos, Fux verificou que nenhuma das omissões apontadas está configurada, e que se trata de pretensão de reabertura da discussão de mérito. O ministro foi acompanhado pelos ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Carmén Lúcia. O ministro Marco Aurélio acolhia integralmente os embargos do Congresso e rejeitava os demais.

Nova discussão

Divergência aberta pelo ministro Edson Fachin, porém, foi acompanhada por maioria. O ministro afirmou que os embargos interpostos pelo Congresso, se providos, poderiam apresentar natureza infringente e propôs, nos termos do art. 140 do RISTF, converter os embargos de declaração em diligência, para abrir a possibilidade de oitiva de todos os interessados nos processos.

"Nesses embargos de declaração, nomeadamente os apresentados pelo Congresso Nacional, há um pedido formulado precisamente nos seguintes termos: 'reconhecer a constitucionalidade da sistemática de precatórios instituída EC 62 nos limites dessa peça'. Indiscutivelmente essa é uma pretensão infringente."

Acompanhando a divergência, o ministro Gilmar Mendes observou que atualmente há no país uma situação pior do que a anterior à decisão da Corte sobre a questão dos precatórios.

"Conseguimos destrambelhar um sistema que estava funcionando. Os Estados vão quebrar se não houver renegociação da dívida. Nós não devemos cometer suicídio, se pudermos rediscutir a questão, devemos fazê-lo."

O ministro Celso de Mello também se demonstrou preocupado com a solução dada pelo Supremo. Segundo o ministro, se não fosse a modulação - que restabeleceu a constitucionalidade da EC 62 até 2020 - "restaurar-se-ia o status quo ante".

"A superveniência de circunstâncias de fato relevantes autoriza a Corte a apreciar os embargos de declaração, com caráter de infringência."

O ministro Teori Zavascki acrescentou ainda que, se o caso fosse decidido a partir dos dados que se tem hoje, o julgamento poderia ser diferente.

Segurança jurídica

No início de seu voto, o ministro Fux afirmou que, em razão de dúvidas, muitos tribunais pararam de pagar os precatórios. E informou que já tramita no Congresso uma outra PEC (74-A/15) sobre precatórios, porque, apesar do prazo largo concedido, estudos revelam que os Estados não vão conseguir cumprir os pagamentos.

Considerando que, conforme a modulação, a EC 62 deve vigorar até 2020, e a existência de proposta no Legislativo, o ministro Barroso se insurgiu contra a possibilidade de conferir efeito infringente aos embargos de declaração.

Para o ministro, a reabertura da discussão quanto ao pagamento de precatórios "é não respeitar o resultado do jogo". Lembrou ainda que, desde a declaração da inconstitucionalidade da EC 62, a sociedade aguarda esclarecimentos por parte da Suprema Corte, que é responsável por dar ao país "algum grau de segurança jurídica".

"Pior do que ter um tribunal que não consiga produzir uma solução ideal, é ter um tribunal que não consegue manter sua jurisprudência por algumas semanas (...) O Tribunal decidiu, está decidido, vamos cumprir e torcer para que haja uma mudança legislativa."

No mesmo sentido, a ministra Cármen Lúcia declarou:

"Votamos, decidimos e, portanto, esses embargos - a não ser que tivessem efeitos infringentes, que então modificariam o que foi decidido - teriam apenas o condão de esclarecimento."

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 9/12/2015 18:09

LEIA MAIS