sábado, 24 de julho de 2021

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Suspenso julgamento de um dos principais conflitos de competência do STJ, sobre acidente da Samarco
STJ

Suspenso julgamento de um dos principais conflitos de competência do STJ, sobre acidente da Samarco

Ministro Benedito pediu vista.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Um pedido de vista do ministro Benedito Gonçalves suspendeu o julgamento na 1ª seção do STJ do que o presidente, ministro Herman Benjamin, chamou de "o" conflito de competência da Corte. O conflito foi suscitado pela Samarco, em causa patrocinada pelo escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados. A relatora é a desembargadora convocada Diva Malerbi.

Foram ajuizadas duas ACPs - na justiça estadual e Federal de Governador Valadares/MG - para determinar a distribuição de água mineral em virtude da poluição do Rio Doce: uma ação na 7ª vara Cível da comarca e outra na 2ª vara Federal.

Suscitado o conflito de competência pela Samarco, a ministra Laurita Vaz concedeu liminar determinando a competência do juízo da 12ª vara Federal de Belo Horizonte. Isso porque tramita uma ação que tem o mesmo objeto e causa de pedir da que está em curso na 2ª vara Federal de Governador Valadares/MG (9362-43.2015.4.01.3813), possuindo, no entanto, o objeto mais amplo.

Início do julgamento

Pautado o processo para a tarde desta quarta-feira, 25, em sede de sustentação oral pela Samarco, a advogada Eliane Cristina Carvalho Teixeira inicialmente consignou o compromisso da companhia para, na medida do possível, evitar a judicialização dos temas que envolvem o acidente, de modo a "poupar o Judiciário para não sofrer consequências do ocorrido na barragem".

A causídica apontou o fato de que as decisões dos juízos foram opostas: o MP estadual pleiteou a distribuição de água mineral na comunidade local; com liminar concedida e ordem para a Samarco entregar 2L de água mineral de porta em porta na comunidade. O juiz Federal revogou a ordem de entrega da água e a remessa dos autos da ACP para a JF. Contudo, o juiz estadual entendeu por bem julgar e perpetuar a ordem de entrega da água, ao custo diário de R$ 2 mi para a empresa.

Ao apresentar seu voto no conflito, a desembargadora convocada Diva Malerbi ressaltou que "não se está aqui a falar de juízo universal de nada". Para a ministra, há de se estabelecer como competente a JF, tendo em vista que a União foi incluída no polo passivo da ação interposta perante a JF e nunca contestou sua participação na lide.

"Do interesse da União na causa, na medida em que toda a questão perpassa pela degradação de bem público Federal e suas consequências sociais e ambientais - lembrando que o acidente decorreu da exploração de atividade minerária cuja outorga é da União - a Justiça Federal é a competente para julgar causas de impactos."

E, ato contínuo, declarou como competente o foro da comarca de BH, considerado o critério da prevenção, quando o dano vai além de uma circunscrição judiciária (no caso, perpassa por 35 municípios de MG e inclusive chegou ao ES). Assim, ratificou a liminar da ministra Laurita, determinando a competência definitiva do juízo da 12ª vara Federal de Belo Horizonte para apreciar e julgar a causa, e a remessa da ação cautelar e da ACP, ambas no juízo de Governador Valadares, e da ACP em curso na 2ª vara Federal da comarca, ficando a critério do juízo Federal de BH a convalidação dos atos até então praticados.

Divergência

Próximo a votar, o ministro Napoleão Nunes Maia Filho inaugurou a divergência, eis que considera que o MP estadual propôs a ação visando a tutela jurídica para os habitantes e o meio ambiente de Governador Valadares.

"A iniciativa do MP deve ser prestigiada no limite da sua iniciativa. Vamos processar a ação de Governador Valadares tal como seu autor a iniciou."

Segundo S. Exa., o feito há de ficar onde for mais fácil a produção de provas. "Para mim a variável importante é: onde estão as provas dos fatos? Por que deslocar?" E assim votou pela competência do juízo de Direito da 7ª vara Cível de Governador Valadares, onde a ação foi proposta.

O ministro Mauro Campbell seguiu a relatora, por não ver outra opção que não a prevenção da vara Federal de Belo Horizonte, no que em seguida o ministro Benedito pediu vista.

  • Processo relacionado: CC 144.922

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 25/5/2016 16:27

LEIA MAIS