domingo, 27 de setembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

STJ

Simples atraso na entrega de imóvel não causa dano moral, diz ministra Nancy

Ministro Moura pediu vista em processo que está sendo julgado na 3ª turma.

O atraso na entrega de imóvel pouco superior a um ano, para além dos seis meses contratuais previstos, não enseja por si só o pagamento de dano moral.

O entendimento é da ministra Nancy Andrighi, da 3ª turma do STJ, em julgamento nesta quinta-feira, 9. O caso teve pedido de vista do ministro Moura Ribeiro.

No voto, Nancy considera que o atraso não foi "excessivo ao ponto de afetar o âmago da dignidade dos recorridos", e por isso excluiu a condenação. "Aqui é simples dano moral por atraso, sem nenhum acréscimo, como por exemplo ia casar e não casou, ia alugar e não alugou..."

O ministro Moura Ribeiro lembrou o repetitivo julgado na 2ª seção, acerca da comissão de corretagem, em que, no caso concreto, tiveram que analisar o tema e acabaram também por afastar o dano moral.

Ponderou S. Exa. que talvez o período de um ano de atraso para além dos seis meses já previstos contratualmente seria excessivo: "Se a pessoa compra o imóvel para ver os Jogos Olímpicos no Rio e não é entregue, como faz?"

Já Nancy considera que tal prazo contratual está "absolvido", pois já convencionado. A ministra afirmou que a Corte, em algum momento, deve parar para dizer qual o prazo tolerável de atraso. De qualquer forma, afirmou: "Quem pede o dano moral deverá mostrar onde foi afetado especificamente. Só pelo inadimplemento contratual não é possível."

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 1/1/1900 12:00