sexta-feira, 17 de setembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Mantida justa causa de entregador que criticou pizzaria no WhatsApp
Justiça do Trabalho

Mantida justa causa de entregador que criticou pizzaria no WhatsApp

Trabalhador também foi condenado em litigância de má-fé por convidar depoente a mentir em juízo.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

A juíza do Trabalho substituta Karina Rigato, da vara de Juína/MT, manteve justa causa de um entregador de pizzas que foi dispensado após realizar comentários negativos da empresa em um grupo de WhatsApp.

Segundo os autos, o entregador conta que foi publicada mensagem no grupo sobre uma promoção de rodízio de pizzas com duração de duas horas, na qual comentou que o atendimento era demorado e, sendo assim, duas horas não "dariam para nada" e então as pizzas estariam imprestáveis.

A pizzaria, por sua vez, alegou que as mensagens não foram ditas como o entregador contou, e defendeu que o grupo não era composto apenas de funcionários, mas sim, de clientes e público externo.

Tentando minimizar a gravidade dos atos, o entregador justificou que fez apenas criticas construtivas em um grupo fechado do estabelecimento.

Ele solicitou à criadora do grupo que prestasse depoimento, porém, pediu que ela mentisse em juízo a fim de afirmar que o grupo era composto apenas por empregados. A depoente, no entanto, confirmou as informações proferidas pela pizzaria.

A juíza do Trabalho entendeu que, pelos depoimentos e cópias da conversa, ficou provado que a postagem denegriu a imagem da empresa para o público externo.

Para ela, as mensagens não devem ser consideradas críticas construtivas, como alegou o autor, pois o mesmo descreveu o serviço como "uma merda".

"Por via inversa, imagine-se o empregador postando uma "crítica construtiva" no mesmo sentido no grupo em questão, com visibilidade a clientes e público externo, referindo-se ao serviço prestado pelo autor, certamente incorreria em falta grave, violando ainda seus direitos personalíssimos."

A magistrada asseverou, ainda, que ficou comprovado que o entregador alterou a verdade dos fatos, além convidar testemunha para mentir em juízo em sua defesa.

Com isso, julgou improcedente o pedido de reversão de justa causa e condenou o autor ao pagamento de R$ 1.962,65 em multa por litigância de má-fé.

  • Processo: 0000272-85.2017.5.23.0081

Confira a íntegra da decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 13/9/2017 09:57