sexta-feira, 22 de outubro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF julgará ressarcimento ao SUS por atender pacientes de planos de saúde
Pauta

STF julgará ressarcimento ao SUS por atender pacientes de planos de saúde

Tema teve repercussão geral reconhecida há mais de sete anos.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

A ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, pautou para o dia 7/2 processo no qual a Corte decidirá se é constitucional a exigência legal de ressarcimento ao SUS pelos custos com o atendimento de pacientes beneficiários de planos privados de saúde.

O processo tem repercussão geral reconhecida desde dezembro de 2010 e é relatado pelo ministro Gilmar Mendes, que afirmou à época: "Entendo configurada a relevância social, econômica e jurídica da matéria, uma vez que a solução a ser definida por este Tribunal balizará não apenas este recurso específico, mas todos os processos em que se discute o ressarcimento ao SUS." O ministro Luís Roberto Barroso está impedido no caso.

O recurso foi interposto contra acórdão do TRF da 2ª região, que negou provimento ao recurso de apelação da ora recorrente ao fundamento de que o STF já decidiu pela constitucionalidade do art. 32 da lei 9.656/98 e afastou a alegação de ofensa aos artigos 194, 196 e 199 da CF, mantendo a sentença que assentou a constitucionalidade da cobrança.

Saúde em pauta

Na mesma sessão extraordinária a ministra Cármen também pautou duas ações diretas de inconstitucionalidade que tratam de temas correlatos.

Uma é de sua própria relatoria (ADIn 4.512), ajuizada pela União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde/UNIDAS em face da lei 3.885/10, do Estado do Mato Grosso do Sul, que dispõe sobre a obrigatoriedade do fornecimento ao consumidor de informações e documentos por parte de operadoras de plano ou seguro privado de assistência à saúde no caso de negativa de cobertura.

O outro caso (ADIn 1.931) é da Confederação Nacional de Saúde - Hospitais Estabelecimentos e Serviços, tendo por objeto a própria lei Federal 9.656, bem como a MP 1.730/98, que modificou a citada lei, e suas sucessivas reedições. A Confederação afirma que os atos normativos são inconstitucionais, por desobediência ao comando que preconiza a exigência de lei complementar para disciplinar a autorização e funcionamento dos estabelecimentos de seguro, resseguro, previdência e capitalização, bem como do órgão oficial fiscalizador.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 3/1/2018 08:13