sábado, 2 de julho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Comissão do Meio Ambiente aprova incentivo fiscal a projeto ambiental

Comissão do Meio Ambiente aprova incentivo fiscal a projeto ambiental

X

segunda-feira, 17 de julho de 2006

IR

 

Comissão do Meio Ambiente aprova incentivo fiscal a projeto ambiental

 

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara aprovou ontem substitutivo do relator, deputado Carlos Willian, ao PL 5974/05, do Senado. A proposta permite deduzir do Imposto de Renda doações para entidades sem fins lucrativos e para o Fundo Nacional de Meio Ambiente (FNMA). As doações devem ser feitas para projetos que promovam o uso sustentável dos recursos naturais e a preservação do meio ambiente.

 

Em seu substitutivo, o deputado Carlos William estende a possibilidade de dedução de doações feitas a outros fundos públicos ambientais. A única condição é que esses fundos sejam habilitados pelo governo federal para esse fim.

 

Carlos William também modificou o percentual das doações. A proposta original prevê que pessoas físicas poderão deduzir até 80% dos valores doados, e jurídicas até 60%. O substitutivo estabelece que as pessoas físicas poderão descontar 80% das doações e 60% dos patrocínios, enquanto para as jurídicas os percentuais são de 40% e 30%, respectivamente.

 

O relator mantém, em seu substitutivo, a previsão do texto aprovado no Senado de que a soma das deduções a que os doadores têm direito não pode ultrapassar 4% do imposto devido.

 

Penalidades

 

Pela proposta original, o beneficiário que não executar o projeto no prazo estipulado terá de devolver ao governo o valor do imposto que deixou de ser arrecadado, acrescido de juros e dos encargos previstos na legislação do imposto de renda. A devolução será proporcional à parcela não cumprida do projeto, quando se tratar de execução parcial dele.

 

O texto original prevê ainda punição de até dois anos de reclusão e multa de 50% do valor dos benefícios recebidos para quem receber dinheiro de incentivos fiscais e não executar os projetos, sem justa causa, ou simular sua execução.

 

No substitutivo, o relator prevê punição apenas para quem simular aplicação dos recursos ou deixar de aplicá-los, que será de um a três anos de detenção e multa.

 

Reuniões

 

Para elaborar o substitutivo, o deputado Carlos William afirma que realizou uma série de reuniões técnicas e discussões com especialistas dos setores público e privado. Segundo ele, a intenção era construir um texto para a futura lei que fosse, ao mesmo tempo, coerente com o ordenamento jurídico, especialmente com a legislação tributária, e "suficientemente claro e consistente para assegurar que a sistemática de incentivos a ser criada não venha a esbarrar em problemas técnicos ou políticos".

 

Tramitação

 

O projeto ainda será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania; e, em seguida pelo Plenário.

__________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 17/7/2006 07:42