quinta-feira, 30 de junho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Vontade do trabalhador não pode ser substituída pela intenção dos sindicatos, afirma advogado
Reforma trabalhista

Vontade do trabalhador não pode ser substituída pela intenção dos sindicatos, afirma advogado

Para Maurício Reis, a intenção dos sindicatos de manter o recolhimento da contribuição sindical não é correta.

sexta-feira, 9 de março de 2018

A reforma trabalhista - lei 13.467/17 - alterou dispositivos da CLT e tornou facultativa a necessidade da contribuição sindical obrigatória. Agora, os trabalhadores podem optar se terão ou não o valor descontado de suas folhas de pagamento.

Entretanto, apesar da legislação em vigor, sindicatos e associações têm buscado obter, por meio da Justiça, a continuidade da obrigatoriedade do recolhimento da contribuição sindical.

Segundo o advogado Mauricio Reis, sócio do escritório Rocha e Barcellos Advogados, a reforma trabalhista exige autorização prévia dos empregados para a realização do desconto da contribuição sindical. Por isso, para o advogado, a intenção dos sindicatos de manter o recolhimento não é correta.

De acordo com Reis, em 2016, antes da aprovação da reforma trabalhista, as centrais sindicais arrecadaram cerca de R$ 202,4 milhões. Por isso, com a entrada em vigor da nova legislação, essas entidades passaram a pressionar os sindicatos a realizarem assembleias, com a finalidade de garantir a arrecadação.

Entretanto, segundo Reis, a vontade do trabalhador não deve estar abaixo da intenção dos sindicatos de manterem o pagamento da contribuição. Por isso, o desconto salarial não pode ser legitimado através da realização de uma assembleia.

"Não é o caso da vontade individual do empregado ser substituída pela manifestação coletiva da categoria. O titular do direito é o empregado e não a categoria, muito menos o Sindicato. O comunicado enviado pelos sindicatos, impondo que haja o desconto, além de ilegal, só comprova um flagrante conflito de interesses, uma vez que o Sindicato está em busca de tutelar um direito seu e não dos trabalhadores, já que quer impor o desconto."

____________________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 9/3/2018 15:58