terça-feira, 5 de julho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. AMB ingressa com ADIn no Supremo contra lei do RJ sobre prazo de prisões provisórias
Prisão provisória

AMB ingressa com ADIn no Supremo contra lei do RJ sobre prazo de prisões provisórias

A entidade argumenta que a lei invadiu a competência do legislador Federal para dispor sobre norma processual.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

A AMB - Associação dos Magistrados Brasileiros apresentou, na última quarta-feira, 23, ADIn, com medida cautelar, no STF, pedindo que seja reconhecida a inconstitucionalidade da lei estadual do Rio de Janeiro 7.917/18, que estabelece prazo máximo de 180 dias para que presos provisórios fiquem nas cadeias do Estado.

A entidade argumenta que a lei, editada pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, invadiu a competência do legislador Federal para dispor sobre norma processual. No documento, a Associação afirma que a referida lei é "de uma inconstitucionalidade tão patente que chegou a ser vetada pelo governador do RJ", mas posteriormente derrubado o impedimento pela assembleia do Estado.

Para a AMB, o legislador estadual criou um prazo máximo para a prisão preventiva, cuja disciplina legal está posta de forma exaustiva no CPP.

"Seria cômico, se não fosse trágico. Um dos poderes instituídos (o Legislativo) compreende que o excesso da população carcerária (os presos provisoriamente) decorre da morosidade do Poder Judiciário em julgar os processos (condenando ou absolvendo) e resolve, sem ter competência legislativa para tanto (que não é estadual, mas federal), determinar a soltura dos presos provisórios após o prazo de 180 dias, sob a ótica de que assim dispondo estaria fazendo com que 'o Poder Judiciário arque com as consequências'".

O relator da ação é o ministro Dias Toffoli.

Leia a íntegra da petição.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 24/5/2018 09:22