segunda-feira, 14 de junho de 2021

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF inicia julgamento sobre possibilidade de venda de estatais sem aval do Congresso

Publicidade

Privatização

STF inicia julgamento sobre possibilidade de venda de estatais sem aval do Congresso

Em junho do ano passado, Lewandowski concedeu liminar assentando a necessidade de prévia autorização legislativa na venda do controle acionário das estatais.

quinta-feira, 30 de maio de 2019

Nesta quinta-feira, 30, os ministros do STF deram início ao julgamento de ações que tratam da autorização legislativa para venda de estatais, que implique perda de controle acionário, e da venda de ações sem licitação. Na sessão de hoje, foram feitas apenas as sustentações orais das partes. Julgamento será retomado com o voto dos ministros no dia 5/6.

t

Ações

As ADIns 5.624, 5.846, 5.924, e 6.029 tratam da autorização legislativa para venda de estatais e da venda de ações sem licitação. O relator de todas elas é o ministro Ricardo Lewandowski.

Em junho de 2018, Lewandowski concedeu liminar na ADIn 5.624 para assentar a necessidade de prévia autorização legislativa na venda do controle acionário das estatais. Na decisão, o ministro também acrescentou que a dispensa de licitação só pode ser aplicada à venda de ações que não importem a perda de controle acionário de empresas públicas, sociedades de economia mista ou de suas subsidiárias ou controladas.

Esta ação foi ajuizada pela Fenaee - Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal e pela Contraf/Cut - Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro. As entidades questionam a lei 13.303/16, que dispõe sobre o estatuto jurídico das empresas públicas, sociedades de economia mista e suas subsidiárias, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios.

O PCB - Partido Comunista do Brasil, Estado de MG e a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro são as autoras das outras ações. Em setembro do ano passado, a transferência de controle acionário de empresas públicas foi objeto de audiência pública realizada no STF pelo ministro Lewandowski.

Sustentações

Na primeira sustentação oral, o advogado Luiz Alberto dos Santos, da Contraf/Cut, ressaltou a importância do julgamento e pediu que o plenário confirme a liminar deferida pelo ministro Lewandowski em nome da proteção do patrimônio público e da integridade das instituições.

O advogado Cláudio Pereira de Souza Neto, representando o PCB - Partido Comunista do Brasil, requereu que o STF reafirme sua jurisprudência no sentido de exigência de edição de lei autorizando a alienação do controle da sociedade de economia mista. Ao pugnar pela manutenção da liminar de Lewandowski, o advogado enfatizou a problemática de norma que permite a alienação de unidades operacionais sem que se instaure o processo licitatório. "A exigência de licitação nunca impediu que as privatizações se realizassem no Brasil", afirmou.

Próximo a subir à Tribuna, o AGU André Mendonça defendeu o indeferimento da medida cautelar. Ele ressaltou que a discussão não é sobre a venda das estatais, mas diz respeito à possibilidade de tais empresas, no âmbito de um mercado competitivo, poderem exercer as mesmas atribuições das empresas privadas, que são suas concorrentes. Para ele, o Brasil precisa caminhar no sentido de que a forma tem menos importância, defendendo não ser necessária a criação de uma lei específica para a compra e venda de estatais. O AGU afirmou que as estatais estão se sucateando e que, no caso da Petrobras, é necessário um desinvestimento para um reinvestimento nela mesma.

Luciano Mariz Maia, vice-PGR, foi o último a sustentar defendendo a inteira manutenção da liminar concedida. Maia afirmou que a República, para ter soberania, precisa ter controle estratégico sobre seus bens e disse que não é possível que a compra e venda das estatais seja feita sem uma lei autorizativa. O vice-PGR enfatizou a necessidade de se respeitar a vontade do parlamento para tornar privado o bem público.

"É incompatível com o nosso ordenamento republicano um dispositivo que permite a desestatização, ausente lei e ausente processo licitatório."

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 30/5/2019 16:45

LEIA MAIS