segunda-feira, 21 de junho de 2021

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Cármen Lúcia determina que Alerj decida sobre prisão de parlamentares

Publicidade

STF

Cármen Lúcia determina que Alerj decida sobre prisão de parlamentares

Plenário já resolveu, em maio, estender imunidade de prisão a deputados estaduais.

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

A ministra Carmem Lúcia, do STF, determinou que a Alerj decida se os deputados Luiz Martins, André Correa e Marcus Vinicius Neskau devem permanecer na prisão. Os parlamentares foram presos há quase um ano, durante a operação "Furna da Onça". Todos foram reeleitos um mês antes.

A decisão da ministra foi no sentido de julgar parcialmente procedente reclamação que alegou afronta ao entendimento da Corte no julgamento das ADIns 5.823, 5.824 e 5.825.

No entanto, em maio, o plenário do STF fixou a extensão a deputados estaduais das imunidades formais previstas no artigo 53 da CF para deputados Federais e senadores. Ou seja, a prisão só poderia ser determinada com a autorização da Casa Legislativa. No julgamento do plenário, a ministra ficou vencida.

t

Cármen Lúcia afirmou, na decisão de agora, que os atos apontados como reclamados, referentes à decretação da prisão temporária e, posteriormente, à decretação da prisão preventiva, foram proferidos antes da decisão do plenário. Tal fato, no entender da ministra, impediria a concessão da liberdade de imediato. Neste sentido, e sem negar a mineirice, transferiu a decisão da eventual liberdade para a Assembleia.

"Essa circunstância afasta a possibilidade de alegação de desrespeito a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal inexistente na data da primeira decisão questionada e referente à prisão."

A decisão da ministra é do dia 30/9 e até o momento a Alerj ainda não deliberou acerca das prisões.

Em nota, a Assembleia afirmou que "foi notificada por ofício do TRF2 no fim da tarde desta quinta-feira, 17, e já deu início ao processo para colocar em votação a decisão sobre a prisão dos parlamentares, conforme determinou a ministra do STF Carmen Lucia. O rito será seguido conforme determina o Regimento Interno da Casa, com a convocação da Comissão de Constituição e Justiça, que dará parecer e redigirá um projeto de resolução que será levado ao Plenário em sessão extraordinária, com decisão por maioria absoluta dos membros da Alerj, ao menos 36 votos".

Atuou no caso a favor do deputado André Correa, o criminalista Marcos Crissiuma. 

Veja a decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 18/10/2019 16:37

LEIA MAIS