quarta-feira, 8 de dezembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Justiça de SC proíbe plataformas digitais de venderem produtos para emagrecer com rótulo incompatível
Produto falso

Justiça de SC proíbe plataformas digitais de venderem produtos para emagrecer com rótulo incompatível

Liminares consideraram incompatibilidade com o CDC e risco ao consumidor.

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Plataformas digitais de e-commerce devem se abster de vender os produtos "Original Ervas", "Royal Slim", "Bio Slim", "Natural Dieta", "Yellow Black" e "Natuplus". Liminares foram deferidas após o MP/SC apontar que os produtos, que eram vendidos como fitoterápicos, continham substâncias químicas em desacordo com o rótulo, o que foi confirmado por laudos do Instituto Geral de Perícias do Estado.

O juiz de Direito Jefferson Zanini, da 2ª vara da Fazenda Pública de Florianópolis/SC, destacou que os produtos estão em inobservância com o CDC e acarretam risco à saúde dos consumidores.

t

Ações

O MP/SC ajuizou ACPs contra sete réus que comercializariam produtos que seriam fitoterápicos, mas, segundo o MP, contêm substâncias químicas em desacordo com a informação contida nos rótulos, as quais necessitam de controle especial, e cuja venda só pode ser efetuava mediante receita médica.

Em análise de um dos pedidos, o magistrado considerou laudos produzidos pelo Instituto Geral de Perícias de Santa Catarina que confirmaram a existência das substâncias químicas não contidas nos rótulos dos produtos e que contêm restrição sanitária, como sibutramina, diazepam, fluoxetina e bupropion.

"Nesse cenário, forçoso reconhecer que a comercialização desses produtos, na condição atual, ofende o dever de informação clara e adequada assegurado pelo art. 6º, III, do CDC."

Ele destacou que o Código do Consumidor estabelece que a oferta e apresentação dos produtos devem assegurar informações corretas, claras e precisas sobre suas características e composição, e que os produtos identificados apresentam risco à saúde.

"Não fosse o bastante, possível afirmar que, além das violações dos preceitos legais já apontadas, há inobservância do conteúdo material do art. 8º do CDC, segundo o qual 'os produtos e serviços colocados no mercado de consumo não acarretarão riscos à saúde ou segurança dos consumidores'."

O juiz deferiu parcialmente o pedido de tutela provisória para que o Mercado Livre remova de seu site os produtos apontados. Em seguida, de acordo com o MP/SC, liminares com mesma determinação foram proferidas contra as lojas Americanas, Magazine Luiza e OLX.

No mérito, o MP requer que as empresas que comercializam os produtos sejam condenadas a indenizar a sociedade em R$ 50 milhões pelos danos morais coletivos.

  • Processo: 5008679-25.2019.8.24.0023

Veja a decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 21/10/2019 07:42