quarta-feira, 27 de outubro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. GOL indenizará reclamante por gastos em salão de beleza para cumprir padrão estético
Justiça do Trabalho

GOL indenizará reclamante por gastos em salão de beleza para cumprir padrão estético

Para TRT-3, despesas convertiam-se em favor da reclamada.

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

A GOL deverá pagar indenização substitutiva a ex-empregada que era compelida a seguir o "Padrão GOL" - normas estabelecidas no Guia de Imagem Pessoal, com imposição de padrão de beleza e penalização em caso de descumprimento. A decisão é da 8ª turma do TRT da 3ª região.

Em primeiro grau, o pedido foi julgado improcedente. O juízo observou que  as cores dos esmaltes e os itens de maquiagem exigidos pela ré fazem parte da nécessaire de qualquer mulher. Além disso, considerou que a autora não comprovou os possíveis gastos circunscritos ao contexto profissional.  

t

Já em âmbito recursal, o entendimento foi reformado, a partir do voto do juiz convocado Antônio Carlos Rodrigues Filho, para condenar a empresa a pagar indenização.

Para o magistrado, ficou comprovado que a empresa exigia certo padrão de maquiagem e cabelo, sendo que as despesas com os procedimentos necessários para referida "padronização", embora suportadas pela empregada, convertiam-se em favor do empreendimento da reclamada.  

"Não é desarrazoada a obrigação de o empregado se apresentar com boa aparência no trabalho. Todavia, diante do estabelecimento de determinados padrões estéticos a serem observados (que, in casu, se identificam com a própria marca da empresa), passa a ser da empregadora o dever de custear os gastos realizados pelo empregado."

O relator registrou jurisprudência do TST em caso envolvendo a mesma empresa aérea no sentido de ser devida a indenização quando a empregadora exige a utilização de maquiagem para o exercício das atividades, mas não a fornece.

"A reclamada exigia determinados cuidados com a aparência que transcendiam a mera 'higiene pessoal' de seus empregados e levando-se em conta que o ônus do empreendimento não pode ser transferido para o empregado (inteligência do artigo 2º da CLT), torna-se forçoso reconhecer o direito da reclamante ao ressarcimento dos valores despendidos com salão de beleza."

Foi descartada a necessidade de apresentação das notas fiscais referentes aos serviços, por ausência de notícia de que a trabalhadora tenha descumprido as regras de padronização estabelecidas pela ré.

Por unanimidade, os julgadores deram provimento ao recurso, para acrescentar à condenação o valor mensal de R$ 120 em gastos em maquiagens, unhas e penteados.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 14/11/2019 17:49