terça-feira, 7 de julho de 2020

ISSN 1983-392X

Dados bancários

IAB entende legítimo fornecimento de dados bancários de escritórios de advocacia à Receita

Plenário do instituto elaborou parecer favorável à norma.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

O plenário do IAB - Instituto dos Advogados Brasileiros aprovou, na sessão plenária extraordinária desta segunda-feira, 16, o parecer do relator Fábio Martins de Andrade, da Comissão de Direito Financeiro e Tributário, favorável à Instrução Normativa 1.571/15, da Receita Federal, a qual determina aos bancos o fornecimento de informações acerca da movimentação financeira de pessoas jurídicas a título de dar eficiência à fiscalização tributária.

"O ato normativo da Receita Federal tem legitimidade e atinge as pessoas jurídicas de um modo geral, e não somente os escritórios de advocacia, como chegou a ser cogitado", afirmou o relator. Ainda segundo ele, "a norma não promove quebra de sigilo bancário, tampouco de sigilo profissional".

t

O relator explicou que a medida da Receita Federal apenas regulamenta o disposto na LC 105/01, que trata do sigilo das operações de instituições financeiras, para garantir o pagamento dos tributos.

Na sua análise, o advogado tratou do art. 6º da lei. De acordo com o dispositivo, “as autoridades e os agentes fiscais tributários da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios somente poderão examinar documentos, livros e registros de instituições financeiras, inclusive os referentes a contas de depósitos e aplicações financeiras, quando houver processo administrativo instaurado ou procedimento fiscal em curso e tais exames sejam considerados indispensáveis pela autoridade administrativa competente".

Além disso, conforme o parágrafo único do artigo, "o resultado dos exames, as informações e os documentos a que se refere este artigo serão conservados em sigilo, observada a legislação tributária".

STF - Legitimidade

O advogado ressaltou que a constitucionalidade do artigo já foi questionada no STF. Em julgamento de repercussão geral, a Corte Suprema decidiu que o dispositivo "não ofende o direito ao sigilo bancário, pois realiza a igualdade em relação aos cidadãos, por meio do princípio da capacidade contributiva, bem como estabelece requisitos objetivos e o translado do dever de sigilo da esfera bancária para a fiscal".

Fábio Martins de Andrade disse que, após a edição da IN 1.571/15, várias ações foram protocoladas na Justiça, dentre as quais mandados de segurança coletivos impetrados pela OAB/RJ e a OAB/ES, com o objetivo de que fossem reconhecidas "a ilegalidade e a inconstitucionalidade" do ato, o que não ocorreu.

O advogado falou que, após examinar todas as ações e decisões judiciais correspondentes, constatou que “não há no ato normativo a pecha de ilegitimidade, que implicaria inconstitucionalidade e/ou ilegalidade”.

De acordo com o advogado, "a jurisprudência do STF já assentou a legitimidade da chamada transferência do sigilo, inicialmente bancário e depois fiscal, quando o Fisco pode se valer de informações e dados fornecidos pelas instituições financeiras para realizar a fiscalização tributária".

___________________

Instituto dos Advogados Brasileiros

patrocínio

Advertisement

últimas quentes

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram