terça-feira, 26 de maio de 2020

ISSN 1983-392X

Lava Jato

Ex-secretário Nacional de Justiça do governo Temer é preso pela Lava Jato do Rio

Astério Pereira dos Santos é suspeito de pagar propina a conselheiros do Tribunal de Contas do Estado.

quinta-feira, 5 de março de 2020

Na manhã desta quinta-feira, 5, a Operação Lava Jato do Rio de Janeiro prendeu o ex-secretário Nacional de Justiça do governo Temer, Astério Pereira dos Santos. Ele e outras 14 pessoas foram denunciadas por envolvimento em pagamento de propina a conselheiros do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro.

As ordens foram expedidas pelo juiz da 7ª vara Federal Marcelo Bretas que, ao todo, autorizou 32 buscas e apreensões. 

t

Astério Pereira dos Santos integrou o governo Temer como secretário Nacional de Justiça de março a novembro de 2017. Antes disso, esteve à frente da secretaria Estadual de Administração Penitenciária na gestão de Rosinha Garotinho no governo do Rio de Janeiro, entre os anos 2003 e 2006.

Em nota, a Polícia Federal informou que a ação visa o cumprir 9 mandados de prisão e 32 mandados de busca e apreensão na cidade do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense. Veja a nota:

"A Polícia Federal deflagrou, nesta manhã (05/03), mais uma etapa da Operação Lava Jato. A ação visa o cumprimento de nove Mandados de Prisão (sendo seis prisões preventivas e três prisões temporárias) e 32 de Mandados de Busca e Apreensão na cidade do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense.

Estão sendo investigadas pessoas físicas e jurídicas que participaram de uma rede de pagamentos de propina relacionada às atividades da SEAP (Secretaria Estadual de Administração Penitenciária). Tal rede seria organizada por empresários e agentes públicos com apoio de dois escritórios de advocacia. Entre os agentes públicos envolvidos há um ex procurador de justiça, e o esquema beneficiaria integrantes do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro.

O dinheiro recebido por meio desse esquema de corrupção estaria sendo dissimulado através do uso de pessoas jurídicas, laranjas e familiares dos envolvidos."

patrocínio

últimas quentes

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram