segunda-feira, 27 de setembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Congresso dará prioridade para análise de projetos em prol dos direitos das mulheres
Projetos

Congresso dará prioridade para análise de projetos em prol dos direitos das mulheres

Nos últimos anos, projetos e leis de combate à violência contra a mulher ganharam destaque.

quinta-feira, 5 de março de 2020

Em função do Dia Internacional da Mulher, a CCJ do Senado realiza força-tarefa em prol de projetos que tenham relação com as mulheres. De acordo com a presidente da comissão, senadora Simone Tebet, a iniciativa já se tornou uma tradição da data.

t

Entre os projetos que serão analisados pela CCJ, está o PL 381/18, que prevê que autores de crimes de lesões corporais contra a mulher, feminicídio, estupro e daqueles praticados com violência doméstica e familiar contra a mulher paguem indenização financeira à vítima ou seus dependentes, em caso de morte.

O texto estabelece que o condenado deverá pagar indenização que varia de R$ 500 a R$ 100 mil à vítima. Essa pena poderá ser aplicada juntamente com a de prisão, já prevista no CP. O valor será calculado de acordo com as circunstâncias e as consequências do crime, a situação financeira do criminoso e o prejuízo à saúde da vítima. O valor da indenização também poderá ser multiplicado por dez caso seja necessário à prevenção e repressão do crime.

Coleta de Dados

Também na pauta, está o substituto (SCD 3/18) ao PL 8/16 que institui a Pnainfo - Política Nacional de Dados e Informações relacionadas à Violência contra as Mulheres. A intenção da medida é permitir a rápida implantação de uma política de coleta de dados relativos à violência contra a mulher. A matéria é de autoria da Comissão de Direitos Humanos (CDH) e tem como relatora a senadora Daniella Ribeiro.

De acordo com o texto, a existência de um banco de dados unificado que reflita as situações de violência enfrentadas pelas mulheres no Brasil é crucial para a avaliação crítica das políticas públicas de combate à violência de gênero.

Maria da Penha

Segundo o CNJ, mais de um milhão de processos relacionados à lei Maria da Penha correm na Justiça e quase 400 mil medidas protetivas tiveram de ser aplicadas em 2018.

Duas novas propostas pretendem alterar a lei de proteção à mulher prevendo novas sanções ao agressor.

Veto a cargos públicos - O PL 1.729/19 insere dispositivo na lei Maria da Penha para vedar a nomeação do agressor para qualquer cargo ou emprego público, de qualquer natureza, no âmbito da Administração Pública direta e indireta, na pendência do cumprimento da pena.

Servidoras públicas Federais - O PL 3.475/19 busca inserir hipótese de deslocamento com ou sem mudança de sede, independentemente do interesse da Administração, nos casos de violência doméstica e familiar contra a mulher.

Leis em vigor

Ao longo dos anos, o Legislativo tem se movimentado em prol dos direitos das mulheres em busca de combater o problema.

Em maio do ano passado foi sancionada a lei 13.827/19, que facilita a aplicação de medida protetiva de urgência pelo juiz à mulher em situação de violência doméstica e familiar ou a seus dependentes.

Ainda no ano passado, foi sancionada a lei 13.871/19, que determina ser responsabilidade do agressor que praticar atos de violência doméstica ressarcir o SUS por tratamento de vítima e pelos dispositivos de segurança por elas utilizados.

Em dezembro entrou em vigor a lei 13.894/19, que garante que os Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher são competentes para julgar ação de divórcio, separação, anulação de casamento ou dissolução de união estável das vítimas.

A lei 13.880/19, que prevê a apreensão de arma de fogo sob posse do agressor em casos de violência doméstica e a lei 13.882/19, para garantir que os filhos de mulheres vítimas de violência sejam matriculados em escolas próximas de seu domicílio, foram sancionadas em outubro.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 6/3/2020 08:30