sábado, 2 de julho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Para presidente de Comissão do IASP, suspensão de precatórios não resolve crise da pandemia
PEC

Para presidente de Comissão do IASP, suspensão de precatórios não resolve crise da pandemia

Segundo Marco Antonio Innocenti, a medida poderá ser um "calote para grupo de pessoas mais vulneráveis com a pandemia".

segunda-feira, 6 de abril de 2020

O governador de São Paulo, João Dória, anunciou que vai pedir para Congresso Nacional e governo federal agilizarem a aprovação de uma proposta de Emenda Constitucional que paralisa o pagamento de precatórios por um ano.

Para o IASP - Instituto dos Advogados de São Paulo, o pedido, no entanto, ignora que os precatórios não utilizam o orçamento dos executivos, mas é feito, na sua maioria, com recursos dos depósitos judiciários.

t

Para o presidente da Comissão de Estudos de Precatórios do IASP, Marco Antonio Innocenti, a medida não resolverá a crise econômica da pandemia e pode ser um "calote para grupo de pessoas mais vulneráveis com a pandemia". O presidente detalha: 

"Desde 2015, com o advento da Lei Complementar 151, grande parte dos Estados não vem despendendo um centavo sequer dos recursos orçamentários na liquidação de precatórios, utilizando-se exclusivamente da transferência de recursos obtidos com o levantamento dos depósitos judiciais administrados pelos tribunais de justiça. É o caso, por exemplo, do governo do Estado de São Paulo".

Para os entes de Federação que não fazem uso dos depósitos, há ainda a alternativa, prevista na Constituição Federal, de financiamento de bancos públicos e privados, com taxas de correção inferiores à aplicada aos precatórios e prazos muito mais alongados - até 30 anos.

O IASP explica que a PEC, apoiada pelos governadores, susta também os pagamentos de precatórios da União. Se aprovada, a proposta deixará na mão dezenas de milhares de cidadãos, entre eles 49.681 idosos, 1.379 portadores de deficiência e 533 doentes graves, que esperam receber nos próximos meses aproximadamente R$ 7 bilhões em créditos alimentares. O próximo pagamento está previsto para 30 de abril.

Dória anuncia que vai pedir suspensão da obrigação, mas direito de credores, na sua maioria idosos e pessoas com doenças graves, não afeta orçamento dos Estados e União e deixa vulnerável grupo de risco

_______


_______

Para que o leitor encontre as notícias jurídicas específicas sobre coronavírus, reunimos todo o material em um site especial, constantemente atualizado. Veja, clique aqui: www.migalhas.com.br/coronavirus

 

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 6/4/2020 08:40

Patrocínio