segunda-feira, 24 de janeiro de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Justiça estadual deve julgar legalidade de cobrança de taxas de juros em cartões de crédito

Justiça estadual deve julgar legalidade de cobrança de taxas de juros em cartões de crédito

quinta-feira, 16 de novembro de 2006

 

STJ

 

Justiça estadual deve julgar legalidade de cobrança de taxas de juros em cartões de crédito

 

As ações que discutem a legalidade da cobrança de taxas de juros superiores a 12% a.a., sua capitalização e incidências de encargos moratórios nas operações financeiras envolvendo cartões de crédito que tramitam na 4ª e 6ª Varas Empresarias do Rio de Janeiro devem ser reunidas perante o juízo da 3ª Vara Empresarial, que despachou em primeiro lugar. A decisão é da Segunda Seção do STJ.

 

No caso, trata-se de conflito de competência suscitado por Unicard Banco Múltiplo S/A e outros em face dos juízos da 3ª, 4ª e 6ª Varas Empresariais do Rio de Janeiro/RJ e do Juízo Federal da 30ª Vara da Seção Judiciária do Estado do Rio de Janeiro, tendo em vista a propositura de várias ações civis públicas pelo Ministério Público Estadual, a Anacont e o Ibraci, os dois últimos entidades de defesa do consumidor, versando sobre operações financeiras com cartões de crédito.

 

O Unicard argumenta que, a despeito de a primeira ação proposta haver sido despachada na 4ª Vara Empresarial, o fato de uma das ações correr na 30ª Vara Federal, tendo em vista que a Caixa Econômica Federal integra o pólo passivo da demanda, deve deslocar a competência para a Justiça Federal. Por outro lado, já tendo sido proferida sentença na ação que tramita na 3ª Vara Empresarial contra a qual pende o julgamento de recurso de apelação, deve ela ser anulada com o encaminhamento dos autos à Justiça Federal.

 

Para o relator, ministro Castro Filho, a reunião das demandas na 30ª Vara Federal do Rio de Janeiro não se mostra possível, uma vez que a CEF só integra o pólo passivo em uma das ações, ou seja, na que tramita perante esse juízo, sendo a Justiça Federal absolutamente incompetente para conhecer das demais.

 

Com relação à ação que tramita na 3ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, o ministro destacou que incide o enunciado 235 da Súmula do STJ ("A conexão não determina a reunião dos processos, se um deles já foi julgado").

 

No que se refere às ações da 4ª e 6ª Varas Empresariais, o relator afirmou que ambas devem ser reunidas, por força da conexão, no juízo que despachou em primeiro lugar em consonância com o artigo 106 do Código de Processo Civil.

 

Processo Relacionado: CC 53435 (clique aqui)

 

_____________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 16/11/2006 08:06