sexta-feira, 16 de abril de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Fake news

Record indenizará jovem que apareceu no Cidade Alerta como suspeita de homicídio

Magistrada destacou que programas como esse "há muito perderam, ou nunca tiveram, natureza informativa" e destacou necessidade de frear divulgação de notícias falsas.

sexta-feira, 9 de outubro de 2020

A emissora de TV Record vai ter de indenizar por danos morais jovem que foi indevidamente apontada no programa Cidade Alerta como suspeita de homicídio. A decisão é da 8ª câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de SP, ao manter sentença com a condenação. O valor da indenização será de R$ 30 mil para ela e R$ 20 mil para seus pais.

(Imagem: Pixabay)

(Imagem: Pixabay)

Em fevereiro de 2017, o programa mostrou reportagem sobre um bárbaro assassinato de uma mulher, que foi carbonizada diante do filho, na cidade de Guaratinguetá/SP. Na matéria, foi mostrada imagem da casa da jovem e dos demais autores da ação, dizendo que a suspeita morava na casa e a família havia abandonado o local para fugir da polícia. Mais tarde, a emissora compartilhou a informação de que o principal suspeito era, na verdade, o ex-namorado da vítima.

Por conta da reportagem, a mulher, que era menor à época dos fatos e mora em cidade de pequeno porte (120 mil habitantes), teve de deixar a escola e se mudar de cidade, e os demais moradores foram taxados de assassinos, recebendo ameaças de morte.

Informação falsa

A relatora, desembargadora Mônica de Carvalho, destacou que, no caso, não há dúvida de que a informação passada pela emissora era falsa, situação que constitui inequívoco ato ilícito, expressamente previsto na lei civil, sendo responsabilidade da empresa as consequências advindas desse fato.

"Sendo a informação falsa, há ilícito, daí decorrendo a obrigação da emissora de checar previamente as informações. Se ficou claro que a emissora praticou ato ilícito, não há fundamento legal para o afastamento da responsabilidade da ré."

Publicidade
A magistrada destacou que programas como esse têm grande espaço na programação da emissora para tratar de casos policiais, e que "seria impossível veicular apenas informações relevantes (...), havendo necessidade de utilizar elementos de carpintaria teatral para esticar a emoção tirada de assuntos que envolvem a vida de pessoas reais".

Disse, ainda, que, em tempos de fake news, "é necessário colocar um freio a esse estado de coisas, repreendendo firmemente quem pratica tais atos", já que "reputações são destruídas" e inverdades são divulgadas sem que participantes se sintam minimamente responsáveis pela conduta.

"Esses programas de reportagens policiais há muito perderam (ou nunca tiveram) a natureza informativa, para se tornarem mero entretenimento, de gosto duvidoso."

O julgamento teve a participação dos desembargadores Theodureto de Almeida Camargo Neto e Alexandre Coelho.

Leia a decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 9/10/2020 14:11

LEIA MAIS