segunda-feira, 2 de agosto de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Aras questiona no Supremo lei de SP que permite usar verbas da educação para manter equilíbrio previdenciário
STF

Aras questiona no Supremo lei de SP que permite usar verbas da educação para manter equilíbrio previdenciário

PGR afirma que norma invade a competência privativa da União para legislar sobre manutenção e desenvolvimento do ensino.

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

O procurador-geral da República, Augusto Aras, ajuizou no STF uma ação contra dispositivos da lei complementar estadual 1.333/18 de São Paulo que classificam as despesas necessárias ao equilíbrio atuarial e financeiro do sistema estadual de Previdência como gastos com manutenção e desenvolvimento do ensino.

(Imagem: Rosinei Coutinho/SCO/STF.)

(Imagem: Rosinei Coutinho/SCO/STF.)

Assina para disciplinar o sistema de educação profissional e tecnológica estadual, a lei complementar permite que a parcela excedente ao limite mínimo previsto constitucionalmente para ser aplicado na educação, que é de 25% da receita de impostos e transferências, seja utilizada para manter o equilíbrio do sistema previdenciário estadual.

"Ao fazê-lo, o dispositivo restringiu indevidamente os investimentos públicos na área da educação", afirma Aras.

O PGR argumenta que a definição do que deve ser considerado despesa com manutenção e desenvolvimento do ensino, por ser matéria de interesse geral, exige tratamento uniforme em todo o país, por meio de lei nacional.

Por esse motivo, para o PGR, a questão está disciplinada nos artigos 70 e 71 da lei 9.394/96, conhecida como Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, que não incluiu, nas despesas para a manutenção e o desenvolvimento do ensino, os encargos com inativos e pensionistas da área da educação. "Encargos previdenciários relacionados a inativos e pensionistas não constituem despesa com ensino, mas responsabilidade previdenciária do ente da Federação", conclui.

A ministra Cármen Lúcia é a relatora da ação.

Publicidade

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 16/11/2020 10:28