sábado, 24 de julho de 2021

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Advogado Luiz Carlos Avila Junior lança obra com foco na efetividade do constitucionalismo
Lançamento

Advogado Luiz Carlos Avila Junior lança obra com foco na efetividade do constitucionalismo

Obra circulará no Brasil e em Portugal reunindo 35 pesquisadores da área jurídica em abordagens que envolvem a Constituição brasileira.

quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Acaba de ser lançado o livro "Constituição e Direitos: Estudos Contemporâneos para uma Melhor Efetividade do Constitucionalismo", coordenado por Luiz Carlos Avila Junior, do escritório Avila Junior Sociedade de Advogados. A obra circulará no Brasil e em Portugal reunindo 35 pesquisadores da área jurídica em abordagens que envolvem a Constituição brasileira.

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

A ideia de produzir o livro é resultado de um projeto da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, da cidade de Itajaí/SC. O livro aborda vários aspectos relacionados à Constituição brasileira. 

"No início, a produção de um livro foi considerada um ato audacioso para uma Comissão de Subseção", relembra o presidente da Comissão de Direito Constitucional da OAB/Itajaí e também coordenador da obra, Luiz Carlos Avila Junior.  "Conseguimos contar com a participação de brilhantes colegas do mundo jurídico, todos exímios operadores do Direito. Essa condição, de operadores de direito, permitiu que a ênfase do livro fosse na efetividade do constitucionalismo", conta o estudioso.  

A publicação reúne 35 pesquisadores renomados da área jurídica, com diversos advogados vinculados à subseção de Itajaí, assim como autores convidados. A apresentação da obra é assinada pelo presidente da OAB/Itajaí, Renato Felipe de Souza, sendo que o advogado e mestre Maicon Rodrigues, foi o organizador do livro. Já o desembargador aposentado e atual presidente da União Ibero-Americana de Juízes, José Eduardo de Resende Chaves Junior, foi responsável pelo prefácio da obra.    

"O que se percebe, a despeito de uma miríade de questões candentes abordadas, é que a obra tem tons e nortes comuns, qual seja, a prevalência dos direitos fundamentais, dos direitos humanos, do respeito aos princípios de uma democracia abrangente, inclusiva e plural, em detrimento de uma vontade egóica, solipsista, autoritária, monocrática e mercadora", destaca José Eduardo de Resende Chaves Junior.  

Publicado pela Editora Juruá, o livro vai circular no Brasil e também em Portugal. A obra será uma referência para profissionais, estudantes, pesquisadores e interessados em atualizar os conhecimentos sobre a Constituição brasileira. "O título tem mais de 500 páginas e tem grande valor científico. É uma colaboração tanto para os operadores do Direito quanto para os advogados, juízes, representantes do Ministério Público", afirmou o presidente da OAB/Itajaí, Renato Felipe de Souza.  

Maicon Rodrigues, organizador da obra, também reconhece o valor do conteúdo científico reunido no livro e afirma que a produção deixará um legado importante para todos os advogados e a comunidade jurídica. "Nestes tempos que estamos vivendo, trata-se de uma obra que vem trazer valores relevantes para uma sociedade melhor", pontuou o advogado.  

"O mote do livro é justamente a busca por efetividade, sendo apresentada sob três perspectivas. Tem o olhar para o passado, que permite vislumbrar a evolução alcançada, para o presente, como um retrato do momento contemporâneo e para o futuro, através dos estudos apresentados como verdadeiro ponto de chegada", justifica Avila Junior.   

Citando grandes estudiosos, como Richard Posner, Antoine Garapon e a professora espanhola Esther Gonzáles, Avila Junior ressalta a importância da academia e da prática judicial terem entendimentos convergentes. Para o advogado, que é especialista em Direito Constitucional, só assim será possível construir uma sociedade com maior segurança jurídica e efetividade em seus direitos e obrigações.   

"No passado o constitucionalismo conferiu força ao discurso da democracia e do resguardo dos direitos fundamentais. É nosso dever, como operadores do Direito, assegurar a estabilização da democracia e dar concretização aos direitos constitucionais", finaliza o pesquisador. 

__________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 26/11/2020 08:55