domingo, 24 de outubro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Farmácia de manipulação deve seguir normas da Anvisa para fabricar moderadores de apetite
Medicamento

Farmácia de manipulação deve seguir normas da Anvisa para fabricar moderadores de apetite

4ª turma do TRF da 4ª região autorizou a fabricação desde que a farmácia observe os limites das substâncias recomendadas pela agência reguladora.

terça-feira, 8 de dezembro de 2020

A 4ª turma do TRF da 4ª região autorizou uma farmácia de manipulação de Novo Hamburgo/RS a produzir e comercializar medicamentos anorexígenos, conhecidos como moderadores de apetite, desde que estejam dentro das normas previstas pela Anvisa.

No processo, a empresa solicitava que a Anvisa se abstivesse de impor qualquer tipo de sanção à farmácia e suas filiais por conta da compra, manipulação e comercialização dos medicamentos (norexígenos sibutramina, anfepramona, femproporex e mazindol).

(Imagem: Freepik.)

(Imagem: Freepik.)

Em 2019, a farmácia de manipulação apresentou um mandado de segurança contra o coordenador de Vigilância Sanitária de Novo Hamburgo para poder manipular e comercializar, sob prescrição médica no modelo B2, os anorexígenos listados.

Conforme a petição inicial, a empresa alegou que a resolução da diretoria colegiada 50/14, da Anvisa, a manipulação de medicamentos constituídos pelas substâncias anfepramona, femproporex, mazindol e sibutramina está vedada, com exceção em produtos já registrados. Além disso, argumentou que a lei 13.454/17, autoriza a produção, venda e consumo desses compostos desde que sob prescrição médica.

Ao revisitar as regulamentações, a 1ª vara Federal de Novo Hamburgo resolveu negar o mandado de segurança pleiteado. A autora da ação, dessa forma, impetrou apelação para que ficassem afastadas quaisquer sanções da Anvisa.

Fabricação e comercialização

O relator do caso, desembargador Federal Ricardo Teixeira do Valle Pereira, posicionou-se parcialmente favorável à apelação.

"Como se vê, a Lei n.º 13.454/17 restringiu-se a autorizar a produção, a comercialização e o consumo, sob prescrição médica no modelo B2, dos anorexígenos: sibutramina, anfepramona, femproporex e mazindol, sem, contudo, limitar os poderes de regulação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.  Daí cabível a conclusão de que a impetrante, atuando exclusivamente no ramo de drogas manipuladas, pode comercializar tais substâncias. Nesse sentido, a própria RDC nº. 50/2014, em seu art. 10, prevê a manipulação de tais drogas. No que se refere ao registro (núcleo da controvérsia), o certo é que a Lei nº 13.454/17 não o dispensou", defendeu.

"Porém, seria ilógico cogitar que todas as prescrições médicas individuais fossem levadas a registro. O registro do medicamento acabado não é aplicado ao medicamento manipulado, mas sim, tão somente o medicamento fabricado. Ilógico também pensar que os medicamentos fabricados estejam sujeitos à vigilância sanitária, enquanto os manipulados não. Sendo realmente permitida a manipulação e comercialização dos anorexígenos citados, na forma prevista na legislação federal, penso que o exercício desse direito está condicionado apenas à demonstração de que há medicamento com registro na Anvisa que autorize o limite/dia prescrito, já que nesse caso pressupostas a eficácia e a segurança", completou Pereira.

Por maioria dos votos, o colegiado concedeu parcial provimento à apelação. Dessa forma, ficou permitida a produção e venda das substâncias, sob prescrição médica no modelo B2 (receita azul, de controle especial), apenas quando observados os limitadores presentes em medicamentos já registrados pela Anvisa. Foi julgada descabida a manipulação irrestrita dos medicamentos sem registro.

Informações: TRF da 4ª região.

Publicidade

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 8/12/2020 11:23