segunda-feira, 29 de novembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. "Chega ao absurdo", diz juiz ao condenar banco que ligou 52 vezes em um dia para idoso
Ligações

"Chega ao absurdo", diz juiz ao condenar banco que ligou 52 vezes em um dia para idoso

Para o colégio recursal de Santos/SP, as ligações ultrapassaram o limite do mero aborrecimento.

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

A 6ª turma Cível do colégio Recursal de Santos/SP condenou um banco a pagar R$ 5 mil de dano moral a idoso em razão de excessivos telefonemas de telemarketing oferecendo empréstimos bancários por meio de empresa terceirizada.

(Imagem: Freepik)

(Imagem: Freepik)

O idoso ajuizou ação contra o banco alegando que vem recebendo ligações excessivas em seu celular e telefone fixo para a contratação de empréstimo. Diz que em um único dia chegou a receber 52 telefonemas. Na ação, pediu que as ligações sejam cessadas e indenização a título de danos morais.

O juízo de 1º grau negou os pedidos do autor sob o fundamento de que, embora o autor junte inúmeros telefonemas, não há como afirmar por quem foram efetuadas. O magistrado singular afirmou o autor poderia fazer o cadastro gratuito dos números de telefones indesejáveis no site do Procon. Diante da decisão, o idoso recorreu.

A 6ª turma Cível do colégio Recursal de Santos reformou a decisão e atendeu ao pedido do idoso. Para o juiz Rodrigo de Moura Jacob, relator, "realmente chega ao absurdo o número de ligações indesejáveis que todos os consumidores recebem todos os dias".

O juiz observou que é impossível que o idoso faça a prova de quem ligou. O relator procurou no google os números de telefones recebidos pelo recorrente e concluiu que "realmente há infinitas reclamações", disse.

Considerando que em apenas um dia o idoso recebeu dezenas de ligações, o magistrado concluiu que as ligações ultrapassaram o limite do mero aborrecimento, "sem contar a perda de tempo do recorrente".

Os advogados Christiano Herick Costa de Souza, Susanne Vale Diniz Schaefer, Marcos Felipe Barreto Schaefer (Schaefer & Souza Advogados Associados) atuaram no caso.

O entendimento do relator foi seguido por unanimidade.

Veja a decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 5/1/2021 17:55