quarta-feira, 21 de abril de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Licitação

Justiça reconhece ilegalidade em licitação do Instituto Estadual de Florestas do Amapá

Empresa foi irregularmente desclassificada do certame.

domingo, 17 de janeiro de 2021

A juíza de Direito Alaide Maria de Paula, de Macapá/AP, assentou a irregularidade na desclassificação de empresa em processo licitatório do IEF - Instituto Estadual de Florestas do Amapá.

No caso, a inabilitação ocorreu sob o argumento de que a autora teria atuado na construção do edital de licitação pois teria participado da elaboração do projeto e consultoria no referido certame. Mas, na avaliação da magistrada, não há documento ou um relato testemunhal nos autos no sentido de que isso tenha ocorrido efetivamente.

"Em verdade, a decisão da comissão informa que houve a colaboração da autora na elaboração do edital n. 001/2015 IEF/AP. Por outro lado, a testemunha ..., em depoimento, afirma que não houve confecção desse edital, mas tão somente o aproveitamento das disposições de outro edital [Edital n. 001/2014 - IEF/AP], havendo apenas a alteração na pesquisa de preços."

(Imagem: Pixabay)

(Imagem: Pixabay)

A julgadora consignou ainda que a autoridade que analisou o recurso administrativo da autora deveria ter exposto o motivo de sua decisão, já que os atos administrativos deverão ser motivados, com indicação dos fatos e dos fundamentos jurídicos.

"Todavia, a autoridade superior limitou-se a acolher o parecer da comissão especial de licitação "pelos próprios fundamentos", o que não pode ser admitido pelo Poder Judiciário."

Publicidade

Dessa forma, julgou procedente a ação para de declarar a nulidade do ato administrativo que desclassificou a autora do certame licitatório.

O escritório Santos Perego & Nunes da Cunha Advogados Associados patrocina a causa, que foi conduzida pela sócia Maria Luisa Nunes da Cunha.

  • Processo: 0020738-89.2016.8.03.0001

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 17/1/2021 08:59