sábado, 6 de março de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Uso de máscaras

STF derruba veto de Bolsonaro que desobrigou máscaras em presídios

Em julho do ano passado, Bolsonaro desobrigou uso de máscaras em presídios. Veto presidencial agora é derrubado pelo Supremo.

sábado, 13 de fevereiro de 2021

Em plenário virtual, o plenário do STF restabeleceu a obrigatoriedade do uso de máscaras por trabalhadores dos estabelecimentos prisionais e de cumprimento de medidas socioeducativas.

A medida havia sido vetada por Bolsonaro em julho do ano passado, mas agora o plenário do Supremo, por unanimidade, derrubou o veto do presidente e trechos da lei 14.019/20 voltam a valer, como esse:

"Art. 3º-F. É obrigatório o uso de máscaras de proteção individual a todos os trabalhadores dos estabelecimentos prisionais e de cumprimento de medidas socioeducativas, incluídos os prestadores de serviço, observada a primeira parte do caput do art. 3°-B desta Lei."

(Imagem: Pexels)

(Imagem: Pexels)

O tema é julgado em três ações (ADPF 714, 715 e 718), ajuizada respectivamente pelo PDT - Partido Democrático Trabalhista, Rede Sustentabilidade e Partido dos Trabalhadores. As ações contestam o veto do presidente da República, Jair Bolsonaro, a dispositivo da Lei 14.019/20, a fim de afastar a obrigatoriedade do uso de máscara de proteção individual em estabelecimentos comerciais, industriais e de ensino, templos religiosos e demais locais fechados em que haja reunião de pessoas. 

Além do dispositivo que abre esta reportagem, havia sido vetado por Bolsonaro a disposição sobre informações do uso correto de máscaras: 

"Art. 3º-B (Vetado) (.) § 5º Os órgãos, entidades e estabelecimentos a que se refere este artigo deverão afixar cartazes informativos sobre a forma de uso correto de máscaras e o número máximo de pessoas permitidas ao mesmo tempo dentro do estabelecimento, nos termos de regulamento."

"Art. 3º-F. É obrigatório o uso de máscaras de proteção individual a todos os trabalhadores dos estabelecimentos prisionais e de cumprimento de medidas socioeducativas, incluídos os prestadores de serviço, observada a primeira parte do caput do art. 3°-B desta Lei".

Em resumo, os requerentes argumentam que os vetos afrontam o preceito fundamental do direito à saúde. Os vetos vão na contramão das determinações da OMS e da legislação dos demais entes federativos, pautadas em estrita consonância com as regras sanitárias.

Em agosto do ano passado, o plenário referendou liminar de Gilmar Mendes que suspendia os vetos de Bolsonaro para que fosse restabelecido o uso de máscara nos presídios. 

Relator

O ministro Gilmar Mendes, relator, frisou a importância do uso de equipamentos de proteção individual em presídios e estabelecimentos socioeducativos, em razão da precariedade estrutural das políticas de saúde nesses sistemas.

Para embasar este argumento, o relator mostrou dados do CNJ acerca do número de casos de covid-19 confirmados nos presídios brasileiros, que aumentou 83,5% e o número de óbitos subiu 22%, atingindo a marca de 139 mortes. "Destaca-se a evolução histórica do número de casos e de óbitos no sistema prisional", disse.

Gilmar Mendes salientou a relevância do conteúdo dos artigos vetados, pois preservam o direito à informação, impondo aos órgãos, entidades e estabelecimentos o dever de afixar cartazes informativos sobre a forma de uso correto de máscaras e o número máximo de pessoas permitidas ao mesmo tempo dentro de estabelecimentos fechados.

Assim, e por fim, os ministros, por unanimidade, entenderam que os vetos de Bolsonaro descumpriram preceitos fundamentais relativos ao processo legislativo constitucional.

Veja a decisão de Gilmar Mendes.

 

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 13/2/2021 10:19

LEIA MAIS