sábado, 6 de março de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Proteção

Daniel Silveira protagonizou confusões por se recusar a usar máscara

Após ser preso pela PF, parlamentar brigou com uma policial que pediu o uso da proteção no IML. Casos semelhantes ocorreram no ano passado.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

O deputado Federal Daniel Silveira protagonizou confusão ao chegar no IML para fazer exame de corpo de delito ontem após ser preso pela Polícia Federal. O parlamentar se recusou a usar máscara e brigou com uma policial que pediu que ele usasse a proteção no local.

Daniel foi preso nesta terça-feira, 16, pela PF após divulgar um vídeo em seu canal no YouTube no qual proferia ataques aos ministros do STF e fazia apologia ao AI-5.

(Imagem: Reprodução)

(Imagem: Reprodução)

No vídeo que circula nas redes sociais, Daniel diz que a policial: "A senhora não manda em mim não. Acha que está falando com vagabundo? Se a senhora falar mais uma vez, eu não boto. A senhora é policial, e daí? Eu também sou polícia e deputado Federal." Assista.

No final de janeiro, o deputado foi impedido de embarcar em um voo da companhia aérea Gol, no aeroporto internacional de São Paulo após também se recusar a usar máscara, que é obrigatória a todos os passageiros.

Na ocasião, o parlamentar apresentou atestado médico que indicava a dispensa da máscara por dor de cabeça crônica, justificativa rejeitada pela companhia. A Polícia Federal foi acionada para intermediar a discussão.

 

Publicidade

Em vídeo de maio de 2020, o deputado chegou a dizer que o uso da proteção "idiotiza as pessoas".

"Vou continuar, sim, lutando contra essa focinheira ideológica que não garante porcaria nenhuma. Isso aí fica cristalino pelo posicionamento de vários médicos no mundo inteiro. Não existem artigos científicos que comprovem."

O deputado foi infectado pelo vírus em junho, disse que não teve sintomas e que ficaria em casa "para não ser vetor de transmissão".

(Imagem: Reprodução)

(Imagem: Reprodução)

Prisão

O deputado Daniel Silveira foi preso pela Polícia Federal na noite desta terça-feira, 16, após determinação do ministro Alexandre de Moraes, do STF. O deputado divulgou vídeo em seu canal no YouTube no qual proferia ataques aos ministros do STF e fazia apologia ao AI-5. Na ordem de prisão, o ministro determinou que fosse cumprida "imediatamente e independente de horário", por se tratar de prisão em flagrante delito. 

No documento, Moraes ressaltou que as manifestações do parlamentar "revelam-se gravíssimas, pois, não só atingem a honorabilidade e constituem ameaça ilegal à segurança dos ministros do STF, como se revestem de claro intuito visando a impedir o exercício da judicatura, notadamente a independência do Poder Judiciário e a manutenção do Estado Democrático de Direito".

O parlamentar publicou vídeo no momento em que a PF estava cumprindo a ordem de prisão, dizendo que anulou sua prerrogativa de deputado e deixou os policiais entrarem em sua casa. O parlamentar ainda manda recado ao ministro Alexandre de Moraes: "Ministro, eu quero que você saiba que você está entrando em uma queda de braço que você não pode vencer."

Nesta quarta-feira, 17, os ministros do STF decidirão, durante a sessão plenária, se irão manter a prisão do deputado Federal.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 17/2/2021 14:25

LEIA MAIS