quinta-feira, 5 de agosto de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. >
  4. STF invalida restrição na venda de testes psicológicos
Conselho de Psicologia

STF invalida restrição na venda de testes psicológicos

Ministros julgaram inconstitucionais dispositivos de resolução do Conselho Federal de Psicologia que restringia a comercialização de testes psicológicos a profissionais inscritos no conselho.

segunda-feira, 8 de março de 2021

Em plenário virtual, o STF, por maioria, julgou inconstitucionais dispositivos de resolução do Conselho Federal de Psicologia que restringia a comercialização e o uso de manuais de testes psicológicos a profissionais inscritos no conselho. Em placar de 7x4, ministros seguiram voto do relator, Alexandre de Moraes.

(Imagem: Freepik)

(Imagem: Freepik)

O então procurador-Geral da República, Claudio Fonteles, ajuizou ação no Supremo contra dispositivos da resolução 2/03 do Conselho Federal de Psicologia. A norma restringe a comercialização e o uso de manuais de testes psicológicos a profissionais inscritos no conselho, além de determinar que as editoras registrem os dados do psicólogo que fizer a compra.

Na ação, o PGR afirmou que o inciso III e os parágrafos 1º e 2º do artigo 18 da resolução ofendem as liberdades de expressão e de acesso à informação, resguardadas em diversos artigos da CF. Assim, considerou "inadmissível a restrição de qualquer espécie de acesso a obras de cunho científico-filosófico, como são os manuais de testes psicológicos".

Para Fonteles, a restrição prejudica, inclusive, os estudantes de psicologia e fez uma analogia quanto às publicações específicas de outras carreiras. "A situação é tão absurda que é só imaginarmos a proibição da comercialização e do uso de livros jurídicos, de manuais médicos e de arquitetura por qualquer pessoa, v.g. [por exemplo], sob o esdrúxulo argumento de fiscalização e orientação, por parte de seus conselhos profissionais", argumentou.

Acesso a conteúdo

O relator, ministro Alexandre de Moraes, ressaltou ser necessária a diferenciação de aplicação de testes psicológicos - com a finalidade de diagnóstico, orientação ou tratamento - e de os produtos editoriais destinados a fornecer elementos informativos para a melhor execução de avaliações psicológicas.

"O ato de diagnóstico e orientação psicológica, obviamente, há que ser executado por profissional habilitado. Por outro lado, o mero acesso ao conteúdo de um teste psicológico, como a qualquer livro ou publicação voltados ao ensino e disseminação do conhecimento científico, não habilita ninguém à prática de atos privativos de profissionais inscritos no Conselho Profissional respectivo."

Para o ministro, mostra-se constitucionalmente idôneo limitar o acesso às obras que reúnem dados sobre diagnóstico, orientação ou tratamento psicológico apenas àqueles habilitados a executar esses atos a título profissional.

"Mal comparando, seria como restringir a aquisição de manuais e livros jurídicos apenas a profissionais habilitados junto à OAB, supondo que a disseminação do conhecimento jurídico favoreceria o exercício irregular da profissão."

Diante disso, julgou procedente a ação para declarar a inconstitucionalidade material do inciso III e dos §§ 1º e 2º do art. 18 da resolução 2/03 do Conselho Federal de Psicologia.

Os ministros Carmén Lucia, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e Nunes Marques acompanharam o entendimento do relator.

Limites de acesso

O ministro Edson Fachin votou pela improcedência da ação. Para S. Exa., a norma questionada é compatível com a Constituição e a restrição à comercialização de exames psicológicos é importante para preservar a integridade dos testes e das pessoas a eles submetidas.

Segundo o ministro Fachin, por razões éticas, é padrão internacional estabelecer determinados limites ao acesso aos resultados dos exames. "Não significa que eles sejam inacessíveis, apenas que não devem ser colocados à disposição", afirmou. A ministra Rosa Weber e o ministro Dias Toffoli acompanharam a divergência.

O ministro Marco Aurélio também divergiu do relator ao considerar que é razoável a restrição de acesso, por profissional inscrito em conselho profissional, a obras versando dados relativos a diagnóstico, orientação e tratamento psicológico, a fim de garantir-se a integridade e a segurança do material.

Assim, Marco Aurélio votou pela improcedência do pedido.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 8/3/2021 15:21