domingo, 13 de junho de 2021

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Mora na criação de fundo de execuções trabalhistas está na mira do STF

Publicidade

Funget

Mora na criação de fundo de execuções trabalhistas está na mira do STF

Cármen Lúcia, relatora da matéria, votou por reconhecer a mora do Congresso e fixar um prazo de 24 meses para a omissão ser sanada.

segunda-feira, 31 de maio de 2021

Até o dia 7/6, os ministros do Supremo julgam ação que contesta a omissão e a mora do Congresso Nacional em instituir o Funget - Fundo de Garantia das Execuções Trabalhistas.

O referido Fundo está previsto desde 2004 em emenda constitucional (45/04), a qual dispõe que ele será integrado pelas multas decorrentes de condenações trabalhistas e administrativas oriundas da fiscalização do trabalho.

Até o momento, há o voto da relatora Cármen Lúcia. A ministra reconhece a mora do Congresso e dá um prazo de 24 meses para que a omissão seja sanada.

(Imagem: Rosinei Coutinho/SCO/STF)

(Imagem: Rosinei Coutinho/SCO/STF)

A ação foi proposta pela ANPT - Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho contra o Congresso em virtude da ausência de lei que crie o Funget. A ANPT diz que há um "total descaso" e "total inércia" do Legislativo. Para a Associação, esta omissão resulta em danos aos trabalhadores, "dada a inexistência de legislação que garanta a efetividade aos direitos fundamentais trabalhistas e ao direito fundamental à duração razoável do processo".

Relatora

Cármen Lúcia declarou a mora do Congresso Nacional em editar a lei pela qual se institui o Funget. Além disso, a ministra votou por fixar o prazo de 24 meses, a contar da data da publicação do acórdão, para que a omissão inconstitucional seja sanada.

A ministra explicou que o Fundo de Garantia das Execuções Trabalhistas seria facilitador da fase de execução trabalhista para garantir a efetividade da prestação jurisdicional com satisfação dos créditos trabalhistas.

Cármen Lúcia registrou que a falta de deliberação formal da matéria pelo Congresso Nacional configura quadro de omissão inconstitucional do Poder Legislativo na instituição e regulamentação do Fundo de Garantia das Execuções Trabalhistas.

A ministra ainda observou que existe apenas um projeto no Congresso que permanece em tramitação, o PL 4.597/04 permanece em tramitação. No entanto, a última movimentação deste projeto se deu há três anos:

"Não se desconhecem as dificuldades do processo legislativo. Entretanto, o lapso temporal decorrido entre a publicação da Emenda Constitucional n. 45/2004, somado à existência de projeto de lei em tramitação há dezesseis anos e sem andamento há três, evidencia a inertia deliberandi a acentuar a mora constitucional." 

Veja a íntegra do voto de Cármen Lúcia.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 31/5/2021 11:23

LEIA MAIS