domingo, 13 de junho de 2021

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. MP Eleitoral pede que operação Furna da Onça vá para Justiça Estadual

Publicidade

Furna da onça

MP Eleitoral pede que operação Furna da Onça vá para Justiça Estadual

MP afirma que objeto da ação não se refere a ilícitos de cunho eleitoral, e esta deve ser julgada pela Justiça comum.

terça-feira, 1 de junho de 2021

O Ministério Público Eleitoral enviou ofício ao juízo da 16ª Zona Eleitoral do RJ requerendo que a operação Furna da Onça seja enviada para a Justiça Estadual, devendo ser julgada pela Justiça Comum. 

A operação inicialmente tramitou na Justiça Federal, mas foi enviada à Eleitoral por decisão do ministro Gilmar Mendes. Agora, o parquet afirma que não vislumbrou crime eleitoral nos fatos narrados. Documento é assinado pela promotora Patrícia Silveira Tavares. 

(Imagem: Ian Cheibub/Folhapress)

Em 2018, deputado estadual André Corrêa é preso durante operação Furna da Onça no RJ.(Imagem: Ian Cheibub/Folhapress)

O caso

O ofício trata de ação penal deflagrada na Justiça Federal, decorrente da Operação Furna da Onça, desdobramento da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, a qual investigou o esquema de pagamento de propinas do ex-governador Sérgio Cabral a um grupo de parlamentares da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, e ainda, o loteamento de cargos públicos e mão de obra terceirizada, de modo a assegurar o necessário apoio político para os mais variados interesses da organização criminosa dentro da Casa Legislativa.  

Após dois anos tramitando na Justiça Federal, a 2ª turma do STF, em decisão da lavra do ministro Gilmar Mendes, entendeu pela incompetência da Justiça Federal para julgamento do caso. A mencionada decisão, ao final, determinou a remessa dos autos à Justiça Eleitoral, para a adoção das providências pertinentes, considerando a existência de indícios de crime eleitoral. 

Como a ação tem réus com foro por prerrogativa de função, foi desmebrada, tramitando na 7ª vara Federal Criminal do RJ e na 1ª seção Especializada do TRF-2. A referida ação penal de primeiro grau foi distribuída ao juízo da 16ª  ZE, enquanto a sua símil foi encaminhada para o TRE/RJ.

Ausência de crime eleitoral

Mas, para o MPE, verificou-se a ausência de qualquer imputação, no caso concreto, de crime eleitoral. "O que existe ali é a descrição de fatos que se amoldam aos tipos penais de corrupção e organização criminosa, sendo ainda certo que as referências às campanhas eleitorais estão integradas ao corpo da narrativa, tão somente, no propósito de melhor elucidar o modus operandi da organização criminosa, de alcance distinto e bem mais amplo", diz o documento.   

"A análise da referida exordial acusatória torna evidente que o objeto da ação não se refere a ilícitos de cunho eleitoral, nem de forma subjacente. Refere-se, sim, a todo contexto de oferecimento de vantagens indevidas, caracterizado pelo pagamento periódico de propina e o loteamento de postos de mão de obra terceirizada em órgãos e entidades estaduais."

Requer, assim, ante o arquivamento promovido em relação exclusivamente a crimes eleitorais, e diante da fixação da incompetência da Justiça Federal pelo ministro Gilmar Mendes a imediata remessa do feito à Justiça Estadual comum, para prosseguimento da ação penal.

Processo: 0600106-90.2021.6.19.0016

O escritório Crissiuma Advogados atua pelo deputado André Correa na ação.

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 1/6/2021 12:13

LEIA MAIS