sexta-feira, 30 de julho de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. CPI da Covid aprova depoimento secreto de Wilson Witzel
Investigação

CPI da Covid aprova depoimento secreto de Wilson Witzel

Ex-governador do RJ afirmou ter "fatos gravíssimos" sobre a intervenção do governo Federal no combate à pandemia.

quarta-feira, 23 de junho de 2021

Os senadores que fazem parte da CPI da Covid aprovaram o requerimento para a realização de depoimento secreto do ex-governador do RJ Wilson Witzel. Na última vez em que esteve no Senado, Witzel afirmou ter "fatos gravíssimos" sobre a intervenção do governo Federal no combate à pandemia.

O pedido foi apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues após o ex-governador dizer que apresentaria novas informações se não tivesse que estar no Senado.

Após a aprovação, o relator, Renan Calheiros, disse que ainda será determinado o local do depoimento.

(Imagem: Reprodução)

Ex-governador do RJ Wilson Witzel em depoimento à CPI da Covid.(Imagem: Reprodução)

A nova convocação de Witzel, que depôs na CPI no último dia 16, gerou debate acalorado na reunião. Os senadores Marcos Rogério  e Ciro Nogueira  questionaram a ausência, no requerimento, do local da sessão secreta. Jorginho Mello afirmou que o ex-governador, cassado pelo STJ por acusações de corrupção, não pode determinar onde será ouvido.

Os requerentes, Alessandro Vieira e Randolfe, o presidente da CPI, Omar Aziz, e o relator, Renan Calheiros, lembraram o fato grave apontado por Witzel - a existência de uma máfia que controla os hospitais Federais do Rio de Janeiro - e as ameaças à vida do ex-governador para justificar a diligência.

Fernando Bezerra Coelho, líder do governo no Senado, perguntou que encaminhamento será dado a eventuais acusações de Witzel que não tenham relação com o objeto da comissão.

Bate-boca

Da primeira vez em que foi convocado pela CPI, Wilson Witzel e Flávio Bolsonaro discutiram após Witzel dizer que que seu processo de impeachment foi resultado de uma perseguição política desencadeada após ele determinar a investigação da morte da vereadora Marielle Franco.

Além de criticar o presidente Jair Bolsonaro, ele levantou suspeitas sobre a parcialidade de membros do STJ e do MPF no processo que levou à cassação de seu mandato.

O relator chegou a questionar Witzel se ele se sentia inibido pela presença de Flávio no Senado. Wilson disse que não tinha nenhum problema e que não se sentia intimidado, mas pediu respeito a Flávio.

Na ocasião, Flávio disse que se o depoimento de Witzel fosse reservado, ainda assim ele estaria presente.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 23/6/2021 15:37