sexta-feira, 6 de agosto de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. TJ/SP nega autorização para casamento de jovem de 15 anos grávida
Código Civil

TJ/SP nega autorização para casamento de jovem de 15 anos grávida

Para colegiado, o melhor interesse da própria jovem "jamais recomendaria o casamento".

sexta-feira, 9 de julho de 2021

A 6ª câmara de Direito Privado do TJ/SP negou pedido de uma adolescente de 15 anos, representada por sua mãe, para se casar com o pai de seu filho. O colegiado manteve sentença ao considerar que, apesar da alegação do menor interesse do bebê, o melhor interesse da própria jovem "jamais recomendaria o casamento".

(Imagem: Tuca Vieira/Folhapress)

Após engravidar, adolescente pediu à Justiça autorização para casar com o namorado.(Imagem: Tuca Vieira/Folhapress)

De acordo com os autos, a adolescente se relaciona há cerca de um ano com o noivo e, após engravidar - pouco tempo depois de fazer 14 anos - pediu à Justiça autorização para o casamento, uma vez que o Código Civil não permite, em nenhuma hipótese, a união de pessoas menores de 16 anos.

Na ação, a adolescente alega que o noivo possui emprego fixo, com plenas condições de sustentar a família, e que o casamento privilegiaria o filho que irá nascer, pois seria criado no seio de um núcleo familiar.

Para o relator da apelação, desembargador Vito Guglielmi, apesar de a adolescente defender que a união atenderia ao melhor interesse da criança, "é certo que o melhor interesse da própria adolescente jamais recomendaria o casamento".

"A idade núbil no direito brasileiro é de 16 anos, consoante prescreve o artigo 1.517 do Código Civil. Não se olvida, é bem verdade, que a redação anterior do artigo 1.520 do Código Civil autorizava, em caráter excepcional, o casamento daqueles que não houvessem atingido a idade núbil. Sucede, contudo, que, após a Lei n. 13.811/19, houve alteração na redação do dispositivo, que passou a vedar o casamento em qualquer hipótese de quem não haja alcançado 16 anos. De rigor, portanto, a manutenção da sentença guerreada, que não merece as críticas que lhe foram dirigidas."

Informações: TJ/SP.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 9/7/2021 08:22