domingo, 5 de dezembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Empresa de telefonia não é responsável por golpe que clonou WhatsApp
Fraude | Clonagem

Empresa de telefonia não é responsável por golpe que clonou WhatsApp

Após anunciar apartamento, mulher teve seu aplicativo clonado e estelionatários pediram dinheiro a amigos.

terça-feira, 27 de julho de 2021

Empresa de telefonia não deve ser responsabilizada por terceiros aplicarem golpe que clonou WhatsApp. Após anunciar apartamento, mulher teve seu aplicativo clonado e estelionatários pediram dinheiro a amigos. A 15ª câmara de Direito Privado do TJ/SP afastou a condenação da empresa ao considerar que a atividade do estelionatário não se relaciona com os serviços de telefonia.

(Imagem: Pixabay)

Mulher teve WhatsApp clonado após publicar anúncio na OLX e receber telefonema pedindo um código.(Imagem: Pixabay)

A consumidora alegou que seu chip de celular foi clonado e, por meio desta fraude, terceiros usaram sua conta de WhatsApp para pedir dinheiro emprestado a seus amigos. Contou que seu amigo realizou transferência bancária ao fraudador no valor de R$ 4,9 mil.

Segundo a consumidora, depois de feito um anúncio de um apartamento na OLX, recebeu uma ligação dizendo que era da OLX e pediu que fosse digitado um código para finalização do anúncio. Tão logo digitou o código, seu WhatsApp sumiu de seu telefone, e então tomou ciência do golpe.

A empresa, por sua vez, ressaltou a inexistência de falha na prestação de seus serviços e do dever de indenizar em razão do ato ilícito praticado por terceiros.

O juízo de primeiro grau condenou a empresa a pagar indenização por danos materiais em R$ 4,9 mil e danos morais a cada um, consumidora e amigo, em R$ 5 mil. Para o juiz, não houve qualquer prova de que a consumidora tenha sido negligente com o uso do aparelho.

A 15ª câmara de Direito Privado o TJ/SP deu provimento ao recurso da operadora para julgar improcedente a ação. O colegiado considerou que a empresa de telefonia não é responsável por ato de "hackers" que violaram perfil de aplicativos que não lhe cabe gerenciar.

O relator, Mendes Pereira, destacou que a atividade do estelionatário não se relaciona com os serviços de telefonia. O magistrado explicou que o que ocorreu, em verdade, foi a utilização de meio ardiloso para convencer o amigo a realizar, voluntariamente, transferência de valores para conta de terceiro desconhecido.

"Em arremate, para que surja o dever de indenizar, deve haver a conjunção dos pressupostos exigidos pelas normas de regência. São eles: a) conduta - ação ou omissão do agente; b) relação de causalidade - liame entre a conduta praticada e o dano verificado; e c) existência de dano mensurável. Verifica-se, no caso em apreço, a inexistência de qualquer liame entre a conduta da operadora ré e o dano suportado pelos autores."

Diante disso, deu provimento ao recurso, invertendo a sucumbência.

O escritório Rosenthal e Guaritá Advogados atua no caso.

Veja a decisão.

Nota de esclarecimento

A OLX, por meio de nota, esclareceu que não solicita validação com código de segurança e nem informações que permitam acesso à conta dos usuários via chat, telefone, SMS, WhatsApp ou redes sociais.

"Segurança é uma prioridade para a OLX e a plataforma investe constantemente em tecnologia e serviços de orientação ao usuário, com dicas com as melhores práticas de negociação, como manter as conversas no chat da plataforma e não deixar o número de telefone exposto nos anúncios."

_________

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 27/7/2021 17:50