segunda-feira, 6 de dezembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Mantida exigência de vacinação para ingressar nos prédios do TJ/SP
Imunização

Mantida exigência de vacinação para ingressar nos prédios do TJ/SP

Segundo o relator, a medida visa proteger toda coletividade e o direito à vida e à saúde pública.

segunda-feira, 4 de outubro de 2021

O desembargador Euvaldo Chaib, do TJ/SP, negou pedido liminar de dois advogados e manteve a portaria 9.998/21, que impede a entrada de pessoas nos prédios da Corte paulista sem a apresentação do comprovante de vacinação contra a covid-19. Segundo o relator, a medida visa proteger toda coletividade e o direito à vida e à saúde pública.

(Imagem: Rubens Cavallari/Folhapress)

Vacina continua obrigatória para ingresso nos prédios do TJ/SP.(Imagem: Rubens Cavallari/Folhapress)

Dois advogados impetraram mandado de segurança em causa própria em face do presidente do TJ/SP, alegando que a portaria em questão contraria dispositivos da CF e do Código Civil.

Segundo os causídicos, a imposição da obrigatoriedade da vacinação pelo Poder Público viola, sem uma justificativa plausível, direitos fundamentais, isso porque a vacina não seria comprovadamente segura ao cidadão e porque os imunizados continuariam potenciais transmissores.

No entendimento de Euvaldo Chaib, porém, a liminar não merece ser deferida.

"A vacinação tem se revelado de fundamental importância na proteção contra a infecção, redução das hospitalizações e mortes no Brasil, no mundo e, na espécie, contribui para a preservação da saúde de todos os cidadãos, dentre eles, magistrados, servidores, agentes públicos, advogados e usuários em geral dos serviços do Poder Judiciário Paulista."

Para o relator, diante da maior crise sanitária dos últimos tempos, a exigência do comprovante de vacinação é no mínimo razoável e de bom senso.

"Embora a Constituição Federal proteja o direito de cada cidadão de manter suas convicções filosóficas, religiosas, morais e existenciais, os direitos da sociedade devem prevalecer sobre os direitos individuais."

Assim sendo, negou o pedido.

Leia a decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 4/10/2021 07:49