sábado, 21 de maio de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Lei do salão parceiro traz segurança jurídica, opina advogada
Relações trabalhistas | Salão de beleza

Lei do salão parceiro traz segurança jurídica, opina advogada

Plenário do STF reconheceu a constitucionalidade da norma na última semana.

sábado, 6 de novembro de 2021

Na última quinta-feira, 28, o plenário do STF julgou constitucional a lei 13.352/16, conhecida como lei do salão parceiro, que permite a contratação de profissionais de beleza na forma de pessoa jurídica, por meio de parceria. A advogada Domênica Marques, da banca Albuquerque Melo Advogados, acredita que o resultado do julgamento leva segurança jurídica para o setor. 

(Imagem: Pexels)

Especialista comenta decisão do STF de tornar constitucional a lei do salão parceiro.(Imagem: Pexels)

A ação no Supremo foi proposta pela Contratuh - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade. Para a entidade, a lei cria o "salão parceiro" com o intuito de possibilitar a contratação de profissionais de beleza na forma de pessoa jurídica.

Tal alteração, conforme a Contratuh, "precariza o trabalho no setor de embelezamento ao possibilitar a denominada "pejotização", uma vez que promove prejuízos aos trabalhadores dessas categorias profissionais que não terão mais o direito de receber verbas trabalhistas decorrentes da relação de emprego.

Os ministros do STF, porém, decidiram pela constitucionalidade da lei e assim ementaram o resultado do julgamento:

É constitucional a celebração de contrato civil de parceria entre salões de beleza e profissionais do setor, nos termos da lei 13.352/16. 

É nulo o contrato civil de parceria referido quando utilizado para dissimular relação de emprego de fato existente, a ser reconhecida sempre que se fizer presente seus elementos caracterizadores. 

Incentivo à regularização do setor

Na avaliação da advogada Domênica Marques, da banca Albuquerque Melo Advogados, o posicionamento do STF leva segurança jurídica para o setor.

"A decisão garante a permanência do Brasil na mesma linha de segurança jurídica - para o setor da beleza - dos países desenvolvidos, que majoritariamente adotam a mesma forma de contratação."

Segundo a especialista, quando lançada, a legislação foi anunciada como o reconhecimento de um modelo de trabalho já utilizado nos salões de beleza, além de um incentivo à regularização de um setor que, no Brasil, abriga em torno de 2 milhões de profissionais.

------------

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 6/11/2021 07:35