quarta-feira, 8 de dezembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Moraes adia análise de lei sobre divulgação de foto de desaparecidos
Pedido de vista

Moraes adia análise de lei sobre divulgação de foto de desaparecidos

Estado de SC questiona lei que obriga a divulgação diária de fotos de crianças desaparecidas em jornais e noticiários de TV.

quarta-feira, 17 de novembro de 2021

O ministro Alexandre de Moraes pediu vista em julgamento que questiona lei de SC que obriga a divulgação diária de fotos de crianças desaparecidas em jornais e noticiários de TV. Até a suspensão do julgamento, que estava em plenário virtual, apenas a relatora havia votado. Cármen Lúcia considerou a norma inconstitucional.

(Imagem: STF)

Ministro Alexandre de Moraes pede vista no plenário virtual.(Imagem: STF)

A lei de SC 16.576/15 foi questionada pelo governador do Estado, Raimundo Colombo. Na ação, ele argumenta que a Assembleia Legislativa, ao promulgar a lei, obrigando a divulgação de fotos de crianças desaparecidas nos meios de comunicação, teria violado vários princípios da Constituição Federal.

Sustentou afronta ao princípio da livre iniciativa e ressaltou que a imposição da medida às empresas jornalísticas poderia importar em responsabilidade objetiva do Estado de indenizar pessoa jurídica de direito privado, sem estabelecer fonte de custeio, como prevê o artigo 167, inciso I, da Carta da República.

Alegou, ainda, violação dos artigos 21 e 22 da Constituição, segundo os quais compete à União legislar sobre serviços públicos de telecomunicação e radiodifusão.

Para a relatora, ministra Cármen Lúcia, a atuação do legislador estadual contraria a repartição de competências legislativas estabelecida na Constituição da República. A ministra destacou que cabe à União explorar os serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens e legislar privativamente sobre a matéria posta nas normas questionadas.

"Ademais, ao impor a divulgação de conteúdo às emissoras, a lei 16.576/15 de Santa Catarina interferiu na atividade finalística dos telejornais, criando obrigação à margem dos contratos de concessão dessas pessoas jurídicas com a União - poder concedente -, em contrariedade ao inc. XII do art. 21 da Constituição da República."

Cármen Lúcia salientou que as leis nacionais que disciplinam a busca de pessoas desparecidas, em especial crianças e adolescentes, estabelecem instrumentos próprios de cooperação entre os entes federativos, facultada a importante contribuição de emissoras de rádio e televisão, mas sempre mediante convênio, não se cogitando - como realizado pela lei estadual questionada - a imposição de divulgação de conteúdo por essas entidades "em total desapego às regras de repartição de competência e de respeito à legislação nacional sobre a matéria".

Assim, votou pela procedência da ação para declarar a inconstitucionalidade da lei 16.576/15 de SC.

Após o voto, o ministro Alexandre de Moraes pediu vista, suspendendo o julgamento.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 17/11/2021 17:32