quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. É ilegal troca de chip por policial para acesso a dados de investigado
TJ/PA

É ilegal troca de chip por policial para acesso a dados de investigado

Decisão determinou que operadora de telefonia realizasse o procedimento de Sim-Swap, sob pena de multa.

sexta-feira, 19 de novembro de 2021

A seção de Direito Penal do TJ/PA considerou ilegal decisão que determinou que operadora de telefonia realizasse o procedimento de Sim-Swap, no qual a empresa habilita novo chip para acesso aos dados de investigado. Para o colegiado, não há previsão legal do pedido pleiteado pela autoridade policial.

(Imagem: Unsplash)

TJ/PA: É ilegal troca de chip por policial para acesso a dados de investigado.(Imagem: Unsplash)

Consta nos autos que o juízo criminal, atendendo à representação feita pelo delegado de polícia, determinou a realização de interceptação telefônica, bem como a habilitação de um novo chip com o número do investigado a fim de possibilitar que a autoridade tenha acesso aos dados nele contidos e armazenados, como agenda telefônica, WhatsApp e afins.

A operadora de telefonia ajuizou mandado de segurança contra a decisão, alegando que a medida pretendida pela autoridade coatora corresponde a procedimento denominado Sim-Swap, consistente na transferência de determinada linha telefônica para um outro chip em posse da autoridade policial.

Esclareceu, ainda, que imediatamente cumpriu a determinação relacionada à interceptação telefônica, bem como sobre a ausência de previsão legal para a realização do procedimento de Sim-Swap.

Ao analisar o caso, a relatora, desembargadora Maria Edwiges de Miranda Lobato, ressaltou que, ao contrário da interceptação telefônica, que o investigador de polícia atua como mero observador de conversas, na troca do chip habilitado, o agente tem a possibilidade de atuar como participante, podendo interagir diretamente com seus interlocutores, enviando novas mensagens a qualquer contato, além de poder também excluir, com total liberdade, e sem deixar vestígios, as mensagens no WhatsApp.

"Tratando-se de providência que excepciona a garantia à inviolabilidade das comunicações, a interceptação telefônica e telemática deve se dar nos estritos limites da lei, não sendo possível o alargamento das hipóteses previstas ou a criação de procedimento diverso."

Diante disso, acompanhando o parecer ministerial, por ausência de previsão legal do pedido pleiteado pela autoridade policial e deferida pelo juízo coator, excluiu a multa da operadora por não cumprimento da decisão.

Os advogados Leonardo Magalhães Avelar e Beatriz Esteves (Avelar Advogados) atuaram na defesa da empresa.

  • Processo: 0810306-96.2021.8.14.0000

Veja a decisão.

________

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 19/11/2021 17:07