quarta-feira, 8 de dezembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STJ exclui cautelares de acusado de manter pés de maconha em casa
Tráfico de drogas

STJ exclui cautelares de acusado de manter pés de maconha em casa

Turma determinou que TJ/RJ examine suposta nulidade da medida de busca e apreensão, baseada apenas em denúncia anônima.

terça-feira, 23 de novembro de 2021

A 6ª turma do STJ excluiu, nesta terça-feira, 23, medidas cautelares de paciente acusado de manter em sua casa cinco pés de maconha. O colegiado determinou que TJ/RJ examine suposta nulidade da medida de busca e apreensão, baseada apenas em denúncia anônima, sem investigação preliminar.

(Imagem: Unsplash)

Homem é acusado de tráfico de drogas por plantio de maconha.(Imagem: Unsplash)

No STJ, a defesa do paciente pede o trancamento da ação penal ou a revogação das medidas cautelares substitutivas, porquanto, a despeito de restringirem drasticamente direito fundamental do paciente, foram aplicadas mercê de qualquer fundamentação.

A prisão preventiva, em princípio, foi decretada com base no aparato tecnológico utilizado para o cultivo de maconha em estufa e a apreensão de diversas estirpes da planta, circunstâncias que indicam que o cultivo era sofisticado e, consequentemente, mais grave.

O advogado Nélio Roberto S. Machado, do escritório Nelio Machado Advogados, sustentou oralmente afirmando que o paciente tem 43 anos, é empresário, tem família constituída e já trabalhou em renomadas empresas. Ainda ressaltou que a denúncia é completamente delirante e não houve investigação.

"A denúncia fala que ele trabalhou na Globo, nunca trabalhou lá. Parece até que trabalhar na Globo é um indicio de que aprecia entorpecentes."

Segundo o causídico, as testemunhas eram os policiais e consta na própria impetração tão somente que teriam visto, olhando pelo muro, do lado de fora, uma estufa de um mero anexo da casa, "que não tem estufa nenhuma e que é impossível que se veja de fora".

O relator, ministro Sebastião Reis Jr., decidiu excluir as cautelares, tendo em vista o apontamento da defesa de nulidade da busca e apreensão. O ministro optou ainda por determinar que o TJ/RJ que examine a questão.

A decisão do colegiado foi unânime.

  • Processo: HC 699.524

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 23/11/2021 17:44