domingo, 3 de julho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF decide adiar por 90 dias MP de alíquota zero sobre combustível
PIS | Cofins

STF decide adiar por 90 dias MP de alíquota zero sobre combustível

Segundo o colegiado, ao revogar a possibilidade de as empresas manterem créditos vinculados à isenção, a norma aumentou indiretamente a carga tributária do PIS/Pasep e da Cofins.

terça-feira, 21 de junho de 2022

O STF manteve, por unanimidade, decisão do ministro Dias Toffoli que estabeleceu o prazo de 90 dias para entrada em vigor de medida provisória que retirou das empresas consumidoras finais de combustíveis o direito ao uso de créditos de contribuições sociais. O julgamento ocorreu em plenário virtual finalizado nesta segunda-feira, 20.

Entenda 

CNT - Confederação Nacional do Transporte questiona a dispositivo da MP 1.118/22, que retirou das empresas consumidoras finais de combustíveis o direito de compensar créditos do Pis/Pasep e da Cofins decorrentes de operações com isenção fiscal.

A entidade contesta a alteração promovida na LC 192/22, que garantia, até o dia 31/12/22, a alíquota zero dessas contribuições em operações com combustíveis e a manutenção dos créditos para todas as empresas da cadeia produtiva. Com a MP, no entanto, apenas produtoras e revendedoras puderam se beneficiar do direito à compensação.

 (Imagem: Freepik)

STF confirma prazo de 90 dias para entrada em vigor da MP sobre compensação fiscal para consumidor final de combustíveis.(Imagem: Freepik)

Majoração indireta

Em análise preliminar, o ministro Dias Toffoli, relator, verificou que a MP, ao revogar a possibilidade de as empresas manterem créditos vinculados à isenção, majorou indiretamente a carga tributária do PIS/Pasep e da Cofins. "A instituição e a majoração dessas contribuições estão sujeitas à anterioridade nonagesimal, prevista no art. 195, § 6º, da CF/88", afirmou.

Toffoli também pontuou que a norma afeta, de forma relevante e nacional, o setor de transportes. Asseverou, ainda, que o aumento da carga tributária dos combustíveis, em desacordo com o texto constitucional, pode gerar impactos amplos em termos econômicos.

No entendimento do relator, a MP retirou a possibilidade de consumidores finais de produtos derivados dos combustíveis manter os créditos conferidos a eles, causando, assim, o aumento indireto da carga tributária sobre as contribuições. Destacou, ainda, que tal revogação ocorreu sem a observância da anterioridade nonagesimal prevista na CF/88.

  • Anterioridade nonagesimal: Exigência do período de 90 dias entre a publicação da lei e sua incidência de modo a gerar obrigações tributárias válidas. 

Ademais, o ministro assinalou que a liminar deferida tem efeitos retroativos e, por isso, as empresas têm assegurado o direito de manter os créditos vinculados em relação a todo o período protegido pela noventena, o que abrange o período entre a data da publicação da medida provisória e a sua decisão monocrática.

Por fim, o relator referendou sua decisão liminar. O colegiado, por unanimidade, seguiu o entendimento. 

Leia o acórdão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 21/6/2022 19:03

Patrocínio