MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Migalhas Quentes >
  4. Banco deve indenizar cliente vítima de golpe por telefone
Indenização

Banco deve indenizar cliente vítima de golpe por telefone

Magistrado concluiu que houve falha na prestação de serviço por parte da instituição financeira.

Da Redação

segunda-feira, 24 de outubro de 2022

Atualizado às 16:30

O juiz de Direito José Pedro Souza Netto, da vara Única de Venda Nova do Imigrante/ES, condenou um banco a indenizar cliente vítima de golpe por telefone. O magistrado considerou que devido a má prestação de serviço da instituição financeira, "terceiro de má-fé se passando por funcionário da requerida ludibriou a parte autora e teve conhecimento dos dados da requerente"

Na Justiça, a representante de uma empresa alegou que, por ligação, passou seus dados bancários a uma suposta funcionária do banco ao qual possui conta. Posteriormente, verificou o débito, indevido, de 50 mil referentes a duas transferências via PIX. Na ocasião, entrou em contato com a instituição financeira para restituição do dinheiro retirado de sua conta por meio fraudulento, todavia, o banco creditou apenas o valor parcial do prejuízo.

Em defesa, o banco sustentou que houve culpa exclusiva da vítima.

 (Imagem: Freepik)

Juiz condena banco a indenizar cliente vítima de fraude por telefone.(Imagem: Freepik)

Falha no serviço

Ao julgar o caso, o magistrado pontuou que o serviço não foi prestado de forma adequada pelo banco, uma vez que ficou "demonstrado pelos documentos juntados que a requerente foi vítima de um possível golpe, que lhe gerou diversos prejuízos".

No mais, pontuou que apesar da cliente ter realizado contato com a empresa para solucionar a questão, "recebeu apenas provimento parcial". Restando, ainda, a quantia R$31 mil de prejuízo, referente ao valor que foi retirado da conta por meio fraudulento.

"Graças a falha na prestação de serviços pela requerida, terceiro de má-fé se passando por funcionário da requerida ludibriou a parte autora e teve conhecimento dos dados da requerente, realizando a liberação de capital de giro."

Concluiu, assim, estar evidente a má prestação do serviço pelo banco, razão pela qual é "cabível a fixação de indenização condizente com a gravidade do ato praticado"Nesse sentido, condenou o banco ao pagamento de R$ 31 mil referente ao valor que foi retirado da conta da consumidora e R$ 2 mil a título de danos morais.

O escritório Metzker Advocacia atua na causa.

Leia a sentença.

Metzker Advocacia

Patrocínio

Patrocínio Migalhas