MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Migalhas Quentes >
  4. Gol indenizará adolescente impedido de embarcar apesar de autorização
Companhia aérea

Gol indenizará adolescente impedido de embarcar apesar de autorização

A autorização para ele viajar desacompanhado ou na companhia de apenas um dos genitores constava no passaporte do menor.

Da Redação

sexta-feira, 4 de novembro de 2022

Atualizado às 14:31

A Gol Linhas Aéreas foi condenada a pagar indenização para uma família que não pôde embarcar para Orlando, na Flórida (EUA), porque um dos adolescentes, que viajaria com o grupo, não apresentou autorização de viagem expressa de seus genitores. A decisão de 1º grau foi confirmada pela 12ª câmara Cível do TJ/RS.

A companhia aérea foi condenada ao pagamento de R$ 5 mil para cada um dos autores da ação (dois adolescentes e os pais de um deles), totalizando R$ 20 mil, corrigidos e acrescidos de juros.

 (Imagem: Freepik)

Viajantes precisaram remarcar voo, hotel, ingressos e outros gastos.(Imagem: Freepik)

Caso

A viagem seria feita em 12 de setembro de 2019 por quatro pessoas - um casal, a filha deles e um adolescente de 14 anos, que tinha no passaporte a autorização para viajar. Mas, ao tentarem realizar check-in, não foi permitido o embarque do jovem.

A autorização para ele viajar desacompanhado ou na companhia de apenas um dos genitores consta no passaporte, com a seguinte redação: "O titular, enquanto menor, está autorizado pelos genitores, pelo prazo deste documento, a viajar desacompanhado ou apenas com um dos pais, indistintamente. Res. CNJ 131/11, Art. 13."

Segundo os autos, foi necessário remarcar não só a viagem, como também hotéis, passaportes de parques, locação de veículos, além dos gastos em virtude do ocorrido. Providenciada a documentação, três dias depois, o grupo se deslocou ao aeroporto, realizando check-in, ocasião em que a autorização sequer foi exigida.

Danos morais

Foi aplicado ao caso o CDC, já que estão presentes as figuras do consumidor e do fornecedor de produtos e serviços. Comprovada a existência de dano, da conduta e do nexo de causalidade entre estes, há o dever de indenizar, independentemente da existência de culpa do fornecedor do serviço.

A resolução do CNJ, em seu art. 13, estabelece a possibilidade de que os passaportes sejam confeccionados com a autorização impressa na página de identificação do documento para viagem de crianças e adolescentes ao exterior.

"Desse modo, diante da ressalva transcrita no passaporte do autor, documento válido até 19 de abril de 2023, entende-se que a autorização judicial ou outro tipo de autorização não era documento exigível pela companhia aérea demandada", considerou o juiz de Direito Regis da Silva Conrado.

Na 12ª câmara Cível do TJ/RS, a relatora do recurso, desembargadora Ana Lucia Carvalho Pinto Vieira considerou que a sentença deveria ser mantida.

"No que tange o quantum da condenação, arrazoando a apelante que a indenização por danos morais no valor total de R$ 20 mil se mostra abusiva, cumpre destacar que foram quatro pessoas lesadas pela conduta irregular da ré, impedindo o embarque do menor e, decorrentemente, de todo o grupo, não se mostrando em nada irrazoável o montante fixado na origem."

Participaram do julgamento os desembargadores Pedro Luiz Pozza e Umberto Guaspari Sudbrack.

Veja a decisão

Informações: TJ/RS.

Patrocínio

Patrocínio Migalhas