MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Migalhas Quentes >
  4. Carandiru: Bolsonaro prestará informações por indulto a condenados
Massacre de Carandiru

Carandiru: Bolsonaro prestará informações por indulto a condenados

Informações são praxe processual e deverão ser prestadas pelo presidente da República e pela AGU em 48 horas ao Supremo Tribunal Federal.

Da Redação

sexta-feira, 30 de dezembro de 2022

Atualizado às 10:38

A presidente do STF, ministra Rosa Weber, fixou o prazo de 48 horas para que o presidente da República, Jair Bolsonaro, e a Advocacia-Geral da União prestem informações sobre a edição do decreto presidencial 11.302/22, na parte que abrange policiais militares condenados pelo massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992.

O decreto presidencial é questionado por meio da ADIn 7.330, ajuizada pelo procurador-geral da República, Augusto Aras.

Em seu despacho, a ministra Rosa Weber justifica a necessidade das informações prévias, que são uma praxe no trâmite processual, para analisar o pedido, diante da urgência. Segundo ela, as informações deverão ser prestadas por meio eletrônico, no prazo de 48 horas, que correrão mesmo durante o recesso forense.

 (Imagem: Evelson de Freitas/Folhapress)

Vista aérea da Casa de Detenção do Carandiru em São Paulo/SP.(Imagem: Evelson de Freitas/Folhapress)

Lesa-humanidade

Na ação, o procurador-geral pede a concessão de medida liminar para suspender o art. 6º do decreto que concede indulto a agentes de segurança condenados por homicídio qualificado praticado há mais de 30 anos, durante o exercício de suas funções. De acordo com a ação, na época, o homicídio qualificado não era classificado como crime hediondo, mas, segundo Aras, o decreto presidencial de indulto deve observar a legislação atual, que inclui homicídio qualificado no rol de crimes hediondos.

A ADIn pede que o Supremo defina se o decreto de indulto pode abranger crimes hediondos que, na data do fato delituoso, não eram previstos em lei como tal, e se o indulto pode ser levado a efeito em favor de condenados por crimes considerados de lesa-humanidade no plano internacional.

Leia a decisão.

Informações: STF

Patrocínio

Patrocínio Migalhas